TOP notícias

Comportamento: Etarismo: o que é, consequências e como combatê-lo

Livros nacionais mais vendidos em 2020

  Livros nacionais mais vendidos em 2020 Obras de autores como Paulo Vieira, Chico Buarque, Djamila Ribeiro e Laurentino Gomes estão na listaO ano de 2020 foi conturbado. Em meio à pandemia de coronavírus e por consequência o isolamento social, o hábito da leitura cresceu. Entre os livros mais vendidos de 2020, os títulos de auto-ajuda se destacam – talvez pelo anseio de dias melhores ou para procurar incentivos para melhorar a vida como um todo.

Etarismo pode impactar negativamente a saúde, o desempenho cognitivo e a qualidade de vida das pessoas

etarismo © Fornecido por eCycle etarismo Imagem de Vlad Sargu em Unsplash

Etarismo é a discriminação contra indivíduos ou grupos etários com base em estereótipos associados à idade. O etarismo é um tipo de preconceito e pode assumir muitas formas, desde atitudes individuais até políticas e práticas institucionais que perpetuam a discriminação etária.

O termo etarismo foi usado pela primeira vez pelo gerontologista Robert N. Butler para descrever a discriminação contra adultos mais velhos. No entanto, o conceito evoluiu para ser frequentemente aplicado a qualquer tipo de discriminação com base na idade, quer envolva preconceito contra crianças, adolescentes, adultos ou idosos.

Demi Lovato posta fotos de sua estrias e comemora superação de distúrbio alimentar: Um lembrete para quem acha que não é possível

  Demi Lovato posta fotos de sua estrias e comemora superação de distúrbio alimentar: Um lembrete para quem acha que não é possível Ao longo das últimas semanas, Demi Lovato surpreendeu bastante com algumas mudanças radicais no visual. Já na na noite da última quinta-feira, dia 24, a cantora voltou a pegar os fãs de surpresa, desta vez com uma mudança emocionante para aqueles que acompanham a vida da atriz: no Instagram, ela revelou que finalmente venceu seu distúrbio alimentar! Demi, que já sofreu com anorexia e bulimia, publicou na rede social uma série de fotos nas quais usa um maiô preto cavado e mostra suas estrias cobertas com glitter.

Manifestações de preconceito com base na faixa etária são relatadas em diversas situações do cotidiano. No campo do trabalho, por exemplo, o etarismo pode levar a disparidades salariais ou a uma maior dificuldade de encontrar emprego.

O etarismo afeta adultos mais jovens, que podem ter dificuldade em encontrar emprego e, muitas vezes, recebem salários mais baixos, sob a justificativa de que são menos experientes. Enquanto isso, adultos mais velhos podem ter problemas para conseguir promoções, encontrar um novo trabalho e mudar de carreira.

A American Psychological Association sugere que o preconceito de idade é uma questão séria, que deve ser tratada da mesma forma que a discriminação baseada em gênero, etnia ou orientação sexual, por exemplo. A organização aponta a necessidade de aumentar a consciência pública sobre os problemas que o preconceito de idade cria pode ajudar. À medida que a população de idosos continua a aumentar, encontrar maneiras de minimizar o etarismo é cada vez mais importante.

Reino Unido: viaje pelas paisagens icônicas da terra da Rainha

  Reino Unido: viaje pelas paisagens icônicas da terra da Rainha Londres está entre os destinos turísticos mais atraentes da Europa e é um dos lugares mais visitados do mundo. São cerca de 30 milhões de pessoas por ano que desembarcam na cidade inglesa para desfrutar das belas paisagens às margens do Rio Tâmisa, de sua vida noturna animada e da riqueza cultural oferecida por uma capital cosmopolita. Mas não é preciso limitar uma viagem à terra da Rainha Elizabeth, pois há quatro países a serem explorados por ali.

Dados do Baltimore Longitudinal Study of Aging sobre as atitudes relacionadas à idade de 440 pessoas com idades entre 18 e 49 anos demonstram que ter estereótipos negativos de adultos mais velhos foi associado a um risco aumentado de doença cardiovascular anos depois. No estudo, 25% das pessoas que tinham estereótipos negativos tiveram um ataque cardíaco 30 anos depois, e apenas 13% das pessoas com opiniões positivas sobre os idosos tiveram o mesmo destino.

Os participantes do estudo que mantinham estereótipos mais negativos sobre adultos mais velhos tiveram um declínio 30% maior em sua memória 40 anos depois, em comparação com pessoas que viam a velhice de forma mais favorável. Os participantes pontuaram na faixa de demência em um teste cognitivo quando sob ameaça de estereótipo, em comparação com 14% dos participantes do teste que não estavam sob a ameaça.

Grazi Massafera e Isis Valverde aparecem lado a lado em campanha, diz jornal

  Grazi Massafera e Isis Valverde aparecem lado a lado em campanha, diz jornal Este é o momento inacreditável em que uma turista descarada subiu até o topo do Templo de Kukulcán, no mundialmente famoso sítio arqueológico de Chichen Itza. A mulher, que aparentemente é de Tijuana, afirmou que subiu na pirâmide como parte de uma promessa feita ao seu finado marido.

O preconceito relacionado ao etarismo também tem sido associado à perda auditiva, diminuição da vontade de viver, menor participação em atividades preventivas, menor percepção de saúde funcional, recuperação insuficiente após o infarto agudo do miocárdio e até redução da longevidade.

Como podemos combater o etarismo?

Enfrentar a discriminação etária exige uma nova compreensão do envelhecimento por todas as gerações sobre essa fase da vida. Essa compreensão precisa contrariar conceitos desatualizados de pessoas mais velhas como fardos e reconhecer a ampla diversidade da experiência da velhice, as desigualdades do preconceito etário e demonstrar disposição para perguntar como a sociedade pode se organizar melhor.

As ações que podem ajudar a combater o preconceito etário incluem:

  • Realização de campanhas de comunicação para aumentar o conhecimento e a compreensão do processo natural da vida entre a mídia, o público em geral, os legisladores, os empregadores e os prestadores de serviços;
  • Legislar contra a discriminação contra pessoas mais velhas (ou muito jovens);
  • Garantir uma visão equilibrada do envelhecimento seja apresentada na mídia;
  • Conscientização sobre o etarismo e suas consequências nas escolas e na sociedade em geral.

Impactos do etarismo no bem-estar e no estilo de vida das pessoas

Em um estudo publicado no periódico The Gerontologist, os pesquisadores observaram como as pessoas mais velhas eram representadas nos grupos do Facebook. Eles encontraram 84 grupos dedicados ao tópico de adultos mais velhos, mas a maioria desses grupos foi criada por pessoas na casa dos 20 anos. Quase 75% dos grupos existiam para criticar ou debochar de pessoas mais velhas, e quase 40% defendiam proibi-los de atividades como dirigir e fazer compras.

Famosos com tatuagens no rosto; brasileiros na lista!

  Famosos com tatuagens no rosto; brasileiros na lista! Tatuar o rosto parece loucura? Para muitos, sim, apesar de cada vez mais famosos estarem marcando a face com desenhos, palavras e letras que têm significados pessoais. Curioso para conhecer essas figuras corajosas? Na galeria, confira as celebridades que ostentam tattoos na cara. Inclusive, há dois brasileiros na lista de personalidades cheias de atitude.

Os adultos mais velhos também sentem o impacto do etarismo no local de trabalho. De acordo com a US Equal Opportunity Commission, quase um quarto de todas as reclamações apresentadas por trabalhadores estão relacionadas à discriminação com base na idade.

A organização AARP relata que 1 em cada 5 trabalhadores nos Estados Unidos tem mais de 55 anos. Quase 65% dos trabalhadores dizem que sofreram discriminação com base na idade no trabalho e 58% dos entrevistados afirmaram que o etarismo se tornou mais aparente para eles pós os 50 anos.

Etarismo prejudica desempenho de adultos mais velhos em tarefas cognitivas e físicas

Quando os adultos mais velhos são vistos como deficientes cognitivos ou físicos, eles apresentam desempenho abaixo de suas habilidades nas tarefas. Esta foi a conclusão de um artigo de revisão recente de Sarah Barber, pesquisadora de psicologia e gerontologia da Georgia State University.

Grupos estigmatizados, seja por causa da raça, da classe social ou da idade, têm um desempenho pior quando são confrontados com estereótipos negativos, segundo a pesquisadora. Ela descobriu que as expectativas dos outros podem desempenhar um papel importante no desempenho dos adultos mais velhos em tarefas cognitivas e habilidades motoras, como dirigir.

Luísa Sonza desabafa sobre comentários de haters: - O nível de ataque está muito pesado

  Luísa Sonza desabafa sobre comentários de haters: - O nível de ataque está muito pesado A cantora Luísa Sonza usou o Instagram Stories na noite do último domingo, dia 11, para contar aos seguidores sobre os ataques que vem sofrendo dos haters, pessoas que propagam comentários maldosos sobre a aparência da artista. Luísa começou: - Eu já falei muitas vezes sobre isso aqui nos meus Stories, porque ano passado eu vivi um período da minha vida que eu escolhi ficar quieta para muita coisa. Esses negócios de plásticas e tal, já tentei falar mil vezes para as pessoas, só que isso está me afetando num lugar de que, se eu tivesse feito as coisas que as pessoas falam que eu fiz e as pessoas fossem contra, eu entenderia. Mas o ruim é eu não ter feito essas coisas.

A pesquisa revela que cerca de 17% por cento dos indivíduos com 50 anos ou mais enfrentam etarismo nos consultórios médicos e cerca de 8% temem que seu médico os esteja avaliando negativamente por causa da idade. Essa sensação de discriminação pode levar os idosos a um desempenho inferior nos testes cognitivos que recebem e levar a uma maior desconfiança dos médicos, maior insatisfação com os serviços de saúde, pior saúde física e mental autorreferida e índices ainda mais elevados de hipertensão.

Esses efeitos de ameaça do estereótipo também podem afetar o desempenho físico. Os adultos mais velhos costumam ser estereotipados como lentos, fracos, fracos e frágeis, de acordo com a pesquisadora. Em estudos de laboratório, a ameaça do estereótipo também pode levar a uma caminhada mais lenta e a uma força de preensão mais fraca para adultos mais velhos.

Segundo Barber, as pessoas que têm atitudes positivas sobre o envelhecimento vivem mais, têm melhor função de memória e se recuperam mais facilmente de doenças. Por isso, é fundamental garantir que os estereótipos baseados na idade sejam eliminados. Afinal, uma transformação na maneira como enxergamos as pessoas mais velhas e suas capacidades parece não ser somente uma questão de respeito e ética, mas também de qualidade de vida e saúde pública.

Fontes: Gerontology & Geriatric Research, Yale News, Organização Mundial da Saúde, Very Well Mind e Medical Xpress

Veja também:

  • Quantidade de amigos que você tem pode afetar sua saúde mental, sugere estudo
  • O que é a Teoria da Seletividade Emocional?
  • Pesquisa com duração de 75 anos tenta desvendar o segredo da felicidade
  • Oito hábitos para uma vida saudável
  • O que é autoconhecimento e dez dicas para desenvolvê-lo
  • Racismo: conceito, raízes históricas e impacto social
  • Consequências da homofobia: LGBTQIA+ e saúde mental

Napoleão, ícone da arte .
Napoleão, ícone da arte

Ver também