TOP notícias

Brasil: Sob pressão, presidente do Equador decreta estado de emergência

Quinze minutos de acréscimos e gol anulado no último lance: Colômbia e Equador empatam em jogo polêmico

  Quinze minutos de acréscimos e gol anulado no último lance: Colômbia e Equador empatam em jogo polêmico Colômbia e Equador empataram por 0 a 0 nesta quinta-feira (14), pelas Eliminatórias da Copa do Mundo, em Barranquilla, em duelo que ficou emocionante no fim. A partida chegou aos 60 minutos do segundo tempo -- 15 de acréscimos -- por um lance polêmico. O Equador tentava segurar o empate fora de casa quando a Colômbia partiu para cima no que seria o último minuto de jogo. Após reclamar muito de um possível pênalti, Cuadrado cobrou lateral para a área, a bola ficou viva e Mina, ex-Palmeiras, empurrou para as redes. Os colombianos comemoram muito em Barranquilla, mas o árbitro aguardou confirmação do VAR.

Guillermo Lasso aciona Forças Armadas para combater tráfico de drogas e aumento da criminalidade. Neste mês, Congresso abriu investigação sobre suas empresas em paraísos fiscais e oposição convocou protestos.

Ex-banqueiro, Lasso tem perfil conservador e assumiu o governo em maio © Presidencia Ecuador/dpa/picture alliance Ex-banqueiro, Lasso tem perfil conservador e assumiu o governo em maio

O presidente do Equador, Guillermo Lasso, declarou estado de emergência no país por no mínimo 60 dias e mobilizou as Forças Armadas para atuar no combate ao tráfico de drogas e à criminalidade em geral.

A decisão foi anunciada na noite de segunda-feira (18/10), quando Lasso fez um pronunciamento na televisão e culpou o tráfico de drogas pela onda de violência no país e nos presídios. Neste ano, 238 presos morreram em conflitos em estabelecimentos prisionais equatorianos.

Equador entra em estado de exceção com imunidade de ação para as Forças Armadas

  Equador entra em estado de exceção com imunidade de ação para as Forças Armadas O presidente do Equador, Guillermo Lasso, declarou o estado de exceção que militariza o combate à violência e ao tráfico de drogas, dando proteção especial para agentes de segurança agirem sem o risco de serem processados. O estado de exceção também permite pressionar pelo tratamento de reformas num contexto em que a oposição ameaça destituir o presidente e o presidente ameaça dissolver o Parlamento. Márcio Resende, correspondente em Buenos AiresO estado de exceção levará militares às ruas e regerá por, pelo menos, 60 dias em todo o território nacional, mas com ênfase nas províncias onde os índices de criminalidade são superiores.

"Há somente um inimigo nas ruas do Equador: o tráfico de drogas. Quando o tráfico de drogas cresce, o mesmo acontece com homicídios e roubos de casas, carros e bens. Nossas forças militares e policiais serão sentidas com intensidade nas ruas", disse.

No mesmo dia, o presidente trocou o comando do Ministério da Defesa, que passou a ser liderado pelo general da reserva Luis Hernandez, no lugar de Fernando Donoso.

A decretação do estado de emergência foi anunciada um dia antes de uma visita do secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, ao Equador. Ele desembarcou no país nesta terça-feira, onde discutirá temas de segurança, defesa, comércio e meio ambiente.

Blinken está fazendo seu primeiro giro pela América do Sul desde que assumiu o cargo em janeiro, no início do governo Joe Biden. O roteiro não inclui o Brasil.

Equador decreta estado de exceção para combater a violência e o narcotráfico

  Equador decreta estado de exceção para combater a violência e o narcotráfico Governo de Guillermo Lasso vai colocar militares para patrulhar as ruas junto com a polícia. Defensoria pede que ação não coloque em risco a populaçãoO presidente se mostrava mais concentrado em resistir à tempestade dos Pandora Papers e na disputa política que trava com o Congresso por causa do bloqueio às suas principais reformas econômicas. Mas reapareceu nesta segunda-feira à noite com o anúncio de que colocará os militares nas ruas para acompanhar a polícia no combate à delinquência comum. “É preciso acabar com a violência que tirou a vida de Sebastián Javier e, antes, a de outros equatorianos”, afirmou o chefe de Estado.

Forças Armadas atuarão em nove províncias

O estado de emergência permitirá que as Forças Armadas do Equador atuem em operações de apreensão de drogas e armas em nove das 24 províncias do país, inclusive em Guayas, onde fica a cidade de Guayaquil, um centro de distribuição de cocaína produzida na América do Sul para os Estados Unidos.

Segundo o presidente, mais de 70% das mortes violentas em Guayas seriam "em alguma medida" relacionadas ao tráfico de drogas.

O país tem enfrentado uma onda de violência e de motins em prisões. Em setembro, 119 pessoas foram mortas durante confrontos entre facções rivais em um presídio de Guayaquil. Em julho, motins em prisões de Cotopaxi e Guayaquil deixaram 21 mortos, e em fevereiro 79 morreram em conflitos entre gangues rivais em diversos presídios do país.

Lasso também afirmou que irá propor e editar normas que apoiem membros das forças de segurança em ações contra o crime e criar um órgão para defender policiais que são processados "somente por fazerem o seu serviço".

Operários e outros movimentos anunciam protestos em Equador sob estado de exceção

  Operários e outros movimentos anunciam protestos em Equador sob estado de exceção Sindicatos, indígenas e universitários do Equador vão protestar na terça-feira contra a alta dos preços dos combustíveis enquanto vigora um estado de exceção determinado pelo governo conservador de Guillermo Lasso para combater o narcotráfico. A Frente Unitária dos Trabalhadores (FUT), que reúne as principais centrais sindicais, a Confederação Nacional dos Povos Indígenas (Conaie) e o sindicato das universidades, uniram forças para exigir que Lasso congele os preços dos combustíveis.“Se o governo não congelar os (preços dos) combustíveis, nos parece uma infâmia. A gasolina está mais cara”, disse Tatamuez.

"O governo irá perdoar todos aqueles que foram condenados injustamente por terem feito o seu trabalho", disse o presidente, que também pediu aos juízes que "garantam a paz e a ordem, e não a impunidade e o crime".

A decretação do estado de emergência não foi bem recebida por grupos indígenas e sindicalistas, que recentemente convocaram protestos contra a política econômica do governo e o aumento do preço dos combustíveis.

Eles receiam que a medida não solucionará os problemas sociais do país, e poderia servir de justificativa para silenciar manifestações da oposição.

Lasso está sob pressão dos "Pandora Papers"

Ex-banqueiro, o presidente do Ecuador tem perfil conservador e defende políticas liberais na economia. Ele assumiu o cargo em maio , após uma campanha em que se posicionou como o nome mais forte contra o socialista Andrés Arauz, apoiado pelo ex-presidente Rafael Correa.

Lasso apareceu ligado a empresas offshore no caso dos "Pandora Papers", uma investigação jornalística realizada pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ, na sigla em inglês). Em 10 de outubro, o Congresso do Equador aprovou a abertura de uma investigação para averiguar se ele cometeu alguma ilegalidade ao manter dinheiro em paraísos fiscais.

Após a revelação dos "Pandora Papers", Lasso disse que as empresas já foram fechadas, que ele não cometeu irregularidades e que sua fortuna é resultado de sua atuação no Banco de Guayaquil, do qual é o maior acionista.

bl (AP, Reuters, AFP, dpa, ots)

Emergência climática trará tensões globais, aponta relatório do serviço de inteligência dos EUA .
As mudanças climáticas não são somente uma ameaça ao futuro ambiental do planeta, mas também à segurança nacional dos EUA e à estabilidade política do planeta: essa é a mais importante conclusão de um relatório desenvolvido pelas 18 agências de inteligência do governo dos EUA sobre o tema, primeiro documento a relacionar os efeitos da crise climática sobre a segurança do país. Intitulado “Estimativa Nacional de Inteligência sobre as Mudanças Climáticas“, o relatório de 27 páginas parte da imensa desigualdade social e econômica para compreender que as mudanças climáticas podem se tornar um campo de batalha geopolítica ao invés de uma oportunidade de cooperação inter

Ver também