TOP notícias

Brasil: William Bonner desmente Bolsonaro sobre associação entre vacina e Aids: "Falsa e absurda"

Bolsonaro faz associação absurda e falsa entre Aids e vacina de Covid, dizem especialistas

  Bolsonaro faz associação absurda e falsa entre Aids e vacina de Covid, dizem especialistas SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em sua live semanal, na última quinta-feira (21), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) leu uma suposta notícia que alertava que "vacinados [contra a Covid] estão desenvolvendo a síndrome da imunodeficiência adquirida [Aids]". Médicos, no entanto, afirmam que a associação entre o imunizante contra o coronavírus e a transmissão do HIV, o vírus da Aids, é falsa e inexistente. Na ocasião, Bolsonaro disse aos seguidores que não comentaria a notícia e orientou que os interessados buscassem a reportagem. "Posso ter problema com a minha live.

Durante o “Jornal Nacional” desta última segunda-feira (25), William Bonner desmentiu o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) mais uma vez. O apresentador citou como “falsa e absurda” a associação do presidente da vacina contra a Covid-19 e a Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (AIDS).

Facebook e Instagram excluem live de Bolsonaro com fake news sobre aids e a vacina da covid

  Facebook e Instagram excluem live de Bolsonaro com fake news sobre aids e a vacina da covid É a primeira vez que as plataformas tiram do ar conteúdos das lives semanais do presidente; Youtube é pressionado a fazer o mesmoEm ação inédita, o Facebook e o Instagram retiraram do ar neste domingo, 24, a live da última quinta-feira, 21, do presidente Jair Bolsonaro. Na transmissão, o chefe do Executivo disse que pessoas que tomaram duas doses da vacina contra o novo coronavírus no Reino Unido estão desenvolvendo aids. A afirmação, que é mentirosa, foi desmentida por cientistas de todo o mundo e publicada em um site inglês conhecido por espalhar teorias da conspiração.

++ Facebook tira do ar live de Bolsonaro com fake news sobre relação da vacina com a Aids

Em live transmitida na quinta-feira (21), as redes sociais, o político havia afirmado que supostos estudos do Reino Unido teriam concluído que os indivíduos totalmente imunizados estariam desenvolvendo a AIDS “muito mais rápido do que o previsto“. No domingo (24), redes sociais como o Facebook havia retirado o vídeo do ar.

Ao vivo, William Bonner desmente presidente da república e repudia fake news

Ao citar o comentário de Bolsonaro, Bonner avisou que a informação dada pelo presidente foi “completamente falsa e absurda“.

Assista ao momento:

Desde que foi publicada, essa nova iniciativa de Bolsonaro de desacreditar vacinas e desestimular a vacinação deixou incrédulas as comunidades médicos e cientificas. E provocou críticas veementes também no meio político.“, completou o jornalista, informando para a o público sobre a decisão do Facebook, Instagram e YouTube de apagar a live em que o presidente disseminou a informação mentirosa.

++ William Bonner declara que discurso de Bolsonaro teve “tom golpista”

Saiba mais

Vale destacar que essa não é a primeira vez que o editor chefe do “JN” desmente Bolsonaro ao vivo. Em julho, o âncora destacou uma declaração equivocada do político sobre o enfrentamento da pandemia da Covid-19, citando o Superior Tribunal Federal. O apresentador anunciava que o STF usou as redes sociais, pela primeira vez, para rebater Bolsonaro através de um vídeo.

Conteúdo de fact-checking do PaiPee.

Não deixe de curtir nossa página no Facebook , no Twitter e também no Instagram para mais notícias do PaiPee.

Bolsonaro aciona STF contra pedido da CPI para bani-lo das redes .
Após presidente ligar vacinas a aids, comissão no Senado aprovou requerimentos pela suspensão de suas contas nas redes sociais e a quebra de seu sigilo telemático. Em ação no Supremo, AGU pede anulação das decisões. © Marcos Corrêa/dpa/Palacio Planalto/picture alliance Bolsonaro associou falsamente vacinas contra covid ao risco de desenvolver aids em live, excluída por redes sociais O presidente Jair Bolsonaro acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) contra a decisão da CPI da Pandemia a favor da suspensão de suas contas nas redes sociais e da quebra de seu sigilo telemático.

Ver também