TOP notícias

Brasil: Auxílio Brasil terá reajuste de 17,84% e só chegará aos R$ 400 em dezembro

Lula defende criação de novo Bolsa Família com valor de R$ 600: 'Povo merece'

  Lula defende criação de novo Bolsa Família com valor de R$ 600: 'Povo merece' A cerimônia de lançamento do Auxílio Brasil, marcada para esta quarta-feira (20), foi adiada devido à falta de consenso da equipe econômica do governo federalEm entrevista à rádio A Tarde, de Salvador, Lula se referiu ao novo programa como "auxílio emergencial", mas o que está sendo tratado neste momento pelo governo é o valor do Auxílio Brasil.

O Ministério da Cidadania informou que o Auxílio Brasil reajustará os valores pagos pelo Bolsa Família em 17,84% a partir de novembro, mas deve chegar aos R$ 400 prometidos pelo presidente Jair Bolsonaro apenas em dezembro.

O reajuste de 17,84% é inferior aos 20% anunciados pelo ministro da Cidadania, João Roma. Porém, já era esperado pelo governo, pois corresponde à correção pela inflação dos benefícios do Bolsa Família. O último reajuste do programa ocorreu em 2018, no governo Michel Temer.

De acordo com o Ministério da Cidadania, os pagamentos do Auxílio Brasil começam em 17 de novembro para as 14,6 milhões de famílias que estão no Bolsa Família. A área informou que as famílias não precisam se recadastrar para receber o novo benefício. “Todas as pessoas já cadastradas receberão o benefício automaticamente, seguindo o calendário habitual do programa anterior, o Bolsa Família”, afirmou.

Bolsonaro anuncia benefício a caminhoneiros que deve pagar R$ 400 e custar R$ 4 bi

  Bolsonaro anuncia benefício a caminhoneiros que deve pagar R$ 400 e custar R$ 4 bi Sem informar a fonte dos recursos, o presidente disse que 750 mil caminhoneiros receberão ajuda para compensar o aumento no preço do diesel; presidente de associação da caminhoneiros diz que auxílio não atende às demandas da categoria . "Esses R$ 400 propostos não atendem em nada nossas demandas e não vão aliviar a situação do transportador autônomo. Estamos pedindo dignidade e o cumprimento dos nosso direitos, não R$ 400", disse Chorão ao Estadão/Broadcast Agro, citando o valor que seria concedido pelo governo aos caminhoneiros, segundo fontes.

O Ministério da Economia calcula que, com o reajuste de 17,84% o tíquete médio pago às famílias mais pobres subirá de aproximadamente R$ 189 para cerca de R$ 220.

O Auxílio Brasil de R$ 400, exigido pelo presidente Jair Bolsonaro, depende da aprovação da PEC (proposta de emenda à Constituição) dos precatórios, que enfrenta resistências no Congresso. Por isso, só deve ser pago a partir de dezembro. O Ministério da Cidadania afirmou, contudo, que “quem já está na folha de pagamento de novembro do Auxílio Brasil receberá o novo valor de forma retroativa”.

Também ficará para dezembro a ampliação da base de beneficiários dos programas sociais. O governo quer zerar a fila de espera do Bolsa Família, ampliando de 14,6 milhões para 17 milhões o número de famílias atendidas. Com isso, cerca de 50 milhões de pessoas serão atingidas pelo Auxílio Brasil.

Reajuste salarial perde para inflação em quase 70% dos acordos fechados em setembro

  Reajuste salarial perde para inflação em quase 70% dos acordos fechados em setembro Reajuste salarial perde para inflação em quase 70% dos acordos fechados em setembroFoi o pior resultado do último ano, segundo o Salariômetro, boletim da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) sobre os acordos registrados no Ministério do Trabalho e Previdência.

Neste sábado (30.out.2021), o presidente Jair Bolsonaro indicou que tem um plano B para viabilizar o Auxílio Brasil de R$ 400 caso a PEC dos precatórios não seja aprovada pelo Congresso. “Sempre tenho paraquedas reserva comigo, mas com muita responsabilidade”, disse Bolsonaro, em Roma.

A ala política do governo considera prorrogar novamente o auxílio emergencial, caso não consiga aprovar a PEC dos precatórios. O Ministério da Economia, no entanto, não trabalha com uma alternativa à PEC, segundo o secretário especial do Tesouro e Orçamento, Esteves Colnago. Colnago assumiu o cargo depois da saída de Bruno Funchal, que pediu demissão quando o governo propôs modificar o teto de gastos, por meio da PEC dos precatórios, para viabilizar o Auxílio Brasil.

A PEC dos precatórios é necessária para viabilizar o Auxílio Brasil porque abrirá espaço para o programa no Orçamento de 2022. Hoje, o projeto orçamentário reserva R$ 34,7 bilhões para a política social, mas o governo calcula que precisará de mais de R$ 50 bilhões para chegar aos R$ 400 prometidos por Bolsonaro.

Auxílio emergencial: Saiba quem recebe nesta semana de 25 a 31

  Auxílio emergencial: Saiba quem recebe nesta semana de 25 a 31 A Caixa Econômica Federal vai realizar nesta semana os últimos depósitos do Auxílio Emergencial. A sétima e última parcela será paga aos beneficiários até o dia 31 de outubro. Até o momento não houve renovação do programa. Para as pessoas que fazem parte do 'Bolsa Família' o programa será substituído pelo 'Auxílio Brasil', projeto do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O recebimento dos recursos segue o calendário regular do programa social, pago nos últimos dez dias úteis de cada mês. Os pagamentos são feitos a cada dia, conforme o dígito final do NIS (para os beneficiários do Bolsa Família) e de acordo com o mês do nascimento para os demais.

O “complemento” que fará o Auxílio Brasil chegar aos R$ 400, no entanto, será pago por meio de um auxílio temporário, que deve ser pago até dezembro de 2022, o fim do ano eleitoral. Segundo o governo, apenas o reajuste de 17,84% será permanente, mas Bolsonaro quer usar o auxílio de R$ 400 na corrida eleitoral do ano que vem.

Apesar de ainda não conseguir encaixar o Auxílio Brasil de R$ 400 no Orçamento, o governo federal já deu início à campanha publicitária do programa. Uma página especial sobre o programa foi criada nesta semana no site do Ministério da Cidadania. Na página, o governo diz que os valores do Auxílio Brasil “ainda não foram anunciados”.

“Os valores dos benefícios, os valores referenciais para caracterização de situação de pobreza ou extrema pobreza e as idades indicadas como público alvo do Programa deverão ser estabelecidos e reavaliados pelo Poder Executivo federal, periodicamente, em decorrência da dinâmica socioeconômica do País e de estudos técnicos sobre o tema”, diz o governo.

Famílias do Bolsa Família serão migradas automaticamente para o Auxílio Brasil .
E meio há tantos altos e baixos para a sua implementação, nesta terça-feira (9), o presidente Jair Bolsonaro finalmente editou o decreto que regulamenta o novo programa social do governo federal, o Auxílio Brasil. Uma das novidades é que todas as famílias que já recebem o antigo Bolsa Família, serão migradas para o novo programa. “Vale explicar que um conceito fundamental do programa é a criação de instrumentos para as famílias se emanciparem”, destacou, em nota, a Secretaria-Geral da Presidência.

Ver também