TOP notícias

Brasil: Brasil cresce em ranking de investimento estrangeiro e retoma posição anterior à pandemia

Santos acerta o empréstimo do atacante Jhojan Julio, da LDU

  Santos acerta o empréstimo do atacante Jhojan Julio, da LDU Jogador é esperado em Santos para exames médicos e assinatura do contratoAté então, o “Plano A” da diretoria era o atacante Emmanuel Martínez, do Barcelona de Guayaquil. No entanto, o time equatoriano não facilitou as negociações. Recentemente, o presidente da equipe, Beto Alfaro Moreno, confirmou que recusou propostas do Peixe.

Quer se manter informado, ter acesso a mais de 60 colunistas e reportagens exclusivas?Assine o Estadão aqui!

O Brasil subiu duas posições no ranking de países que mais recebem investimentos do exterior, de acordo com o Índice de Confiança para Investimento Direto Estrangeiro, elaborado pela consultoria Kearney. O País saltou da 24.ª para a 22.ª posição no levantamento mundial, realizado em janeiro, enquanto sua nota subiu de 1,64 para 1,71.

Apesar do avanço, o Brasil ainda está muito longe de seus tempos “áureos” como destino de investimento estrangeiro – em 2012 e 2013, por exemplo, a nação ficou na terceira posição da lista. “Há bons sinais de recuperação, mas já estivemos lá em cima no ranking. À medida que a situação política e econômica do País piorou, a confiança do investidor caiu”, afirma Sachin Mehta, sócio da Kearney Brasil. “Ainda assim, o Brasil não é uma economia que o investidor possa se dar ao luxo de estar fora. É um mercado diferente, com riqueza natural e força em commodities.”

Investimento direto estrangeiro no Brasil cresce e soma US$ 4,6 bilhões em novembro

  Investimento direto estrangeiro no Brasil cresce e soma US$ 4,6 bilhões em novembro BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Os investimentos diretos de estrangeiros no Brasil somaram US$ 4,6 bilhões em novembro, alta de 68% em relação ao mês anterior. Os dados foram divulgados pelo Banco Central nesta quarta-feira (22). O volume ficou acima da previsão do BC para o mês, que era de US$ 3,9 bilhões. Em outubro, houve ingresso líquido de US$ 2,5 bilhões (R$ 26,389 bilhões) na modalidade. Naquele mês, o nível de aplicações ficou 44% abaixo de setembro (US$ 4,59 bilhões). Em novembro de 2020, o volume foi de US$ 2,3 bilhões. Em 12 meses, os investimentos diretos acumularam entrada de US$ 51,5 bilhões, o equivalente a 3,17% do PIB (Produto Interno Bruto).

Em 2016, o País ocupava o 12.º lugar, caindo 13 posições em 2018 e saindo no ano seguinte do ranking (que contabiliza somente os 25 primeiros colocados). O País voltou à lista em 2020, na mesma posição que a atual (22.ª). Apesar de o País ter voltado a figurar na lista, isso pode refletir mais uma queda de outras nações do que um grande avanço brasileiro. Neste ano, a estimativa é de entrada de US$ 55 bilhões em capital estrangeior, abaixo dos US$ 69,2 bilhões de 2019.

Os motivos para o avanço do País em 2022 são o aumento dos preços de matérias-primas e a redução de restrições para conter a covid-19. Esses fatores fizeram o Brasil crescer no cenário econômico internacional mesmo com desafios como a alta da inflação, a explosão dos juros e as eleições presidenciais. Segundo análise da XP Investimentos, os principais investidores da Bolsa brasileira em 2022 são investidores estrangeiros (53%), instituições (25,4%) e pessoas físicas (16,5%).

Brasil recebe por dia R$ 1,4 bi de capital estrangeiro na Bolsa

  Brasil recebe por dia R$ 1,4 bi de capital estrangeiro na Bolsa Levantamento aponta que R$ 26,4 bilhões entraram no País até o dia 28 de março; taxa básica de juro alta e commodities atraem investidores estrangeiros para a Bolsa brasileiraBRASÍLIA e RIO - O Brasil voltou a ser um dos países preferidos para investidores globais do mercado financeiro e tem atraído, em média, R$ 1,390 bilhão por dia para a Bolsa em março.

O Brasil é uma das quatro economias emergentes no ranking da consultoria. China (10.º lugar), Emirados Árabes (14.º) e Qatar (24.º) também aparecem na lista de 25 países. O levantamento não considera a guerra entre Rússia e Ucrânia, mas a consultoria diz que, hoje, o País poderia ter subido até três posições diante do conflito, que colocou o Brasil em um contexto mais atrativo para o investidor.

O que os investidores buscam

Baixa corrupção, transparência e estabilidade regulatória foram as principais características comuns entre os países no topo do ranking, feito com base em entrevistas com executivos de empresas com receita anual superior a US$ 500 milhões de diversos setores, em 30 países. Capacidade tecnológica, taxa de juros, facilidade de retirada de investimentos e direitos de propriedade do investidor foram os demais itens mais apontados como importantes no relatório.

Karol Conká retoma shows e agradece apoio após cancelamento no BBB 21: ‘Nunca estive sozinha’

  Karol Conká retoma shows e agradece apoio após cancelamento no BBB 21: ‘Nunca estive sozinha’ Nesta semana, a cantora Karol Conká voltou aos palcos para fazer o seu primeiro show após dois anos sem se apresentar para o público. Devido a pandemia e logo depois ter sido confinada no Big Brother Brasil 21, a rapper pôde se apresentou nesta sexta-feira (17), em Madureira, na Zona Norte do Rio de Janeiro. A artista foi recebida com bastante carinho e ficou emocionada com o amor que tem recebido dos fãs. Nas redes sociais, Karol postou um longo desabafo e agradeceu ao público pela experiência. "Ontem subi no palco depois de dois anos sem sentir a energia do público num show.

Pelo 10.º ano consecutivo, os Estados Unidos lideraram a lista. Alemanha e Canadá completam o “pódio” deste ano. Japão e Reino Unido ocupam, respectivamente, a quarta e quinta posições. A região das Américas é vista com mais otimismo do que em 2021 por metade dos investidores entrevistados no levantamento da Kearney. Segundo o relatório, 40% acreditam que o otimismo não mudou e 10% se disseram pessimistas.

Critérios ESG

O relatório aponta que as estratégias ESG, compostas pelos pilares de meio ambiente, social e governança corporativa, são parte dos compromissos de 94% das empresas. A maioria (89%) vê que tais práticas oferecem vantagens competitivas aos negócios, por reduzir problemas na cadeia de suprimentos e aumentar a produtividade.

Quase três quartos dos entrevistados (73%) disseram que as práticas ESG ganharam força nos últimos três anos e 67% afirmaram que a pandemia acelerou os prazos de adoção das estratégias. A estimativa é de que mais da metade (54%) tenham implementado integralmente as práticas planejadas dentro dos próximos dois anos. “A pressão por ESG nas empresas vem do investidor. A dúvida é qual item priorizar. No Brasil, o maior peso é em temas ambientais”, diz Mehta.

Problemas internos mantêm Brasil na parte de baixo de ranking de crescimento do PIB .
Segundo levantamento da agência de classificação de risco Austin Rating, o País está na 26ª posição entre 33 paísesRIO - Com a retração de 0,1% da economia no terceiro trimestre, frente aos três meses anteriores, o Brasil decepcionou mais uma vez na comparação internacional com outras nações. O País ocupou a 26.ª posição em levantamento da agência de classificação de risco Austin Rating, considerando o ritmo de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 33 países.

Ver também