TOP notícias

Ciência e Tecnologia: Microsoft fecha parceria com Facebook Gaming e encerrará Mixer

Curador do Jabuti diz que errou, depois de post polêmico minimizando as mortes pelo coronavírus

  Curador do Jabuti diz que errou, depois de post polêmico minimizando as mortes pelo coronavírus No domingo, 24, ele foi alvo de um manifesto público que já soma mais de 4 mil assinaturas; leia sua 'retratação' e veja a repercussão entre editores, escritores e intelectuaisCurador do Prêmio Jabuti, um dos mais prestigiosos da literatura brasileira, Pedro Almeida causou polêmica neste domingo, 24, ao escrever um post em seu perfil no Facebook em que minimizava as mortes pelo coronavírus. Almeida, que é editor da Faro, começou seu texto com a frase "Alguém está mentindo para você" e passou a questionar os números da covid-19 e a comparar o número de mortes este ano e no ano passado.

(Sem informação) © Máquina do Esporte (Sem informação)

O Mixer, plataforma de streaming da Microsoft, deixará de existir no próximo dia 22 de julho. A decisão da gigante da tecnologia vem depois de um acerto com o Facebook para concentrar os esforços da marca na plataforma da rede social, o Facebook Gaming.

O Mixer, conhecido anteriormente como Beam, foi comprado pela Microsoft em 2016. Após a aquisição, passou a ter maior integração com o Windows 10 e também com o Xbox One. Oficialmente, a empresa justificou a decisão dizendo que "ficou claro que o tempo necessário para expandir nossa própria comunidade de streaming ao vivo estava fora de medida com a visão e as experiências que a Microsoft e o Xbox desejam oferecer aos jogadores agora, então decidimos fechar o lado de operações do Mixer e ajudar a comunidade a fazer a transição para uma nova plataforma".

Veja quais são os confrontos do CBLoL 2020 deste fim de semana

  Veja quais são os confrontos do CBLoL 2020 deste fim de semana Fature por meio de apostas na Betmotion durante o CBLoL 2020Confrontos CBLoL 2020 - Sábado (11/07)

  Microsoft fecha parceria com Facebook Gaming e encerrará Mixer © Fornecido por Máquina do Esporte

Foto: Reprodução

"Começamos muito atrás, em termos de como os espectadores ativos mensais do Mixer eram comparados com outros grandes concorrentes. Acho que a comunidade Mixer realmente se beneficiará do amplo público que o Facebook tem por meio de suas propriedades e das habilidades para alcançar os jogadores de uma maneira muito melhor", afirmou Phil Spencer, diretor da divisão de games da Microsoft, em entrevista ao portal The Verge.

Nos bastidores, no entanto, a explicação é outra. Segundo o site SportBusiness, apesar do investimento significativo na plataforma, incluindo a assinatura de um acordo de exclusividade multimilionário com a estrela do e-Sports Ninja, a Microsoft acabou chegando à conclusão de que não obteve audiência suficiente para brigar de igual para igual com concorrentes como o Twitch, por exemplo.

A partir de 22 de julho, Ninja e o resto dos jogadores que assinaram com o Mixer não estarão mais vinculados a acordos de exclusividade, embora a Microsoft espere que seu conteúdo continue aparecendo na nova plataforma, com todos os streamers recebendo o status de parceiros, caso desejem mudar para o Facebook Gaming.

Na data estipulada, o site e o aplicativo Mixer direcionarão os usuários diretamente para o Facebook Gaming. Como parte do acordo, o serviço de streaming de jogos da Microsoft, xCloud, será levado para o Facebook.

Campanha #defendaolivro ganha as redes sociais e mobiliza leitores e mercado editorial .
Campanha é uma reação ao projeto de reforma tributária que quer voltar a cobrar imposto sobre o preço do livroO livro é um produto isento de impostos desde a Constituição de 1946, proteção que foi mantida pela atual carta, de 1988. Em 2004, o mercado editorial foi desonerado também do PIS e Cofins, que, pela proposta do governo, seria substituído pela Contribuição Social sobre Operações com Bens e Serviços (CBS), que tornaria os livros sujeitos à tributação mais uma vez, sob alíquota de 12%. Vale lembrar que embora o produto livro seja isento, as editoras pagam outras taxas. No caso de uma empresa de lucro presumido, esse valor fica em cerca de 2%.

Ver também