TOP notícias

Ciência e Tecnologia: Irlanda e Luxemburgo precisam de mais recursos para policiar gigantes de tecnologia, diz relatório

Coronavírus faz Irlanda mudar regras de doação sangue por homens gays

  Coronavírus faz Irlanda mudar regras de doação sangue por homens gays Para combater a escassez de sangue nos bancos para doações, a Irlanda do Norte anunciou uma mudança importante na legislação que determina a doação por parte de homens gays e bissexuais no país: se antes a doação só era permitida a homens que não tinham relações sexuais com outro homem por 12 meses, por conta de uma suposta maior vulnerabilidade ao HIV, a nova legislação diminuirá essa “janela” para uma restrição de 3 meses – período em que um teste sorológico pode não detectar a presença de um vírus como o HIV mesmo em um sangue recém infectado.

Por Foo Yun Chee

BRUXELAS (Reuters) - Irlanda e Luxemburgo, as sedes europeias do Google, Facebook, Twitter e Amazon, precisam de um aumento substancial de recursos para lidar com violações de dados pelas gigantes da tecnologia dos EUA, disse um relatório da União Europeia.

O relatório da Comissão Europeia, visto pela Reuters, procurou avaliar a eficácia das regras de privacidade de dados da UE conhecidas como Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR) adotadas em 2018.

O GDPR exige que as empresas busquem o consentimento das pessoas antes de usar seus dados pessoais, aplicando pesadas multas nas empresas que não seguem as regras. A vice-presidente europeia de valores e transparência, Vera Jourova, já havia classificado as regras como uma bússola para guiar a UE na era digital.

Morreu Jean Kennedy Smith, irmã de JFK e ex-embaixadora dos EUA na Irlanda

  Morreu Jean Kennedy Smith, irmã de JFK e ex-embaixadora dos EUA na Irlanda Jean Kennedy Smith, ex-embaixadora dos EUA em Dublin, que contribuiu para o processo de paz na Irlanda do Norte e era a única irmã do ex-presidente John F. Kennedy ainda viva, faleceu aos 92 anos, informaram nesta quinta-feira vários meios de comunicação locais. Em 1963, Jean Kennedy Smith acompanhou seu irmão John - o primeiro presidente católico americano e de origem irlandesa - em uma viagem histórica à Irlanda. - "Engrenagem da máquina" -Trinta anos depois, embora não tivesse experiência política ou diplomática e se dedicasse mais à caridade pelas artes e crianças com deficiência e à socialização, foi nomeada embaixadora na Irlanda pelo ex-presidente Bill Clinton,

O relatório disse que as agências de proteção de dados em todo o bloco de 27 países aumentaram suas equipes em 42% e os orçamentos em 49% entre 2016 e 2019, mas os governos da Irlanda e de Luxemburgo precisavam fazer mais.

"Dado que as grandes multinacionais de tecnologia estão estabelecidas na Irlanda e em Luxemburgo, as autoridades de proteção de dados desses países atuam como autoridades líderes em muitos casos transfronteiriços importantes e podem precisar de recursos maiores do que sua baixa população indicaria", afirma o relatório.

O órgão regulador irlandês abriu investigações sobre o Facebook, Instagram e WhatsApp, além do Twitter, Apple, Verizon Media, LinkedIn, de propriedade da Microsoft, e o anunciante digital dos EUA Quantcast.

O relatório instou os órgãos nacionais a iniciar investigações conjuntas que levariam a regras e abordagens mais homogêneas.

O documento também afirmou que alguns dos desafios são reconciliar os direitos de privacidade de dados com o direito à liberdade de expressão e como aplicar as regras a tecnologias como inteligência artificial, reconhecimento facial, blockchain e a Internet das Coisas.

Yes, nós temos deepfake: brasileiros são o 2º maior público de aplicativo que “troca rostos” de políticos e celebridades .
Reportagem apurou que aplicativo pretende lançar rostos de personalidades brasileiras; o Impressions App já permite simular imagem de Trump e Obama, além de celebridades dos EUAPor R$ 20,90 a semana, qualquer pessoa com um celular com sistema operacional IOS pode, em poucos minutos, criar vídeos de até 20 segundos, trocando seu rosto pelo de uma celebridade através de deepfakes, técnicas que usam inteligência artificial e escaneamento de imagens. Além de Bieber, o aplicativo permite utilizar os rostos das cantoras Rihanna, Miley Cyrus e Alicia Keys, de atores como Angelina Jolie, Brad Pitt e Morgan Freeman, e também de políticos como Donald Trump e Barack Obama.

Ver também