TOP notícias

Mundo: Brasil conquista a medalha de ouro na vela com Martine Grael e Kahena Kunze na Olimpíada de Tóquio

Vela: Mais brasileiros entram em ação nos Jogos Olímpicos de Tóquio

  Vela: Mais brasileiros entram em ação nos Jogos Olímpicos de Tóquio Estreias das campeãs olímpicas Martine Grael e Kahena Kunze (49erFx) marcam terceiro dia de regatas em Enoshima, nesta terça-feira+ Brasil x Zâmbia: saiba onde assistir e as prováveis escalações da partida da Seleção feminina nos Jogos Olímpicos

TÓQUIO - A dupla Martine Grael e Kahena Kunze conquistou o bicampeonato olímpico na classe 49er FX ao chegar na terceira posição na medal race na manhã desta terça-feira (madrugada no Brasil). Elas fizeram uma ótima regata e ficaram à frente das suas principais adversárias por um lugar no pódio. A prata ficou com a Alemanha, enquanto o bronze foi para a Holanda.

Na disputa decisiva, as brasileiras escolheram um caminho diferente das principais adversárias e a estratégia deu certo. Elas passaram na terceira posição na primeira e na segunda boia, atrás apenas do barco da Argentina e da Noruega. Passaram a terceira boia na mesma posição e depois foi só ultrapassar a linha de chegada para confirmar a medalha de ouro para o Brasil.

Velejadores brasileiros mantêm bons resultados nos Jogos Olímpicos em meio a condições imprevisíveis

  Velejadores brasileiros mantêm bons resultados nos Jogos Olímpicos em meio a condições imprevisíveis Campeãs olímpicas Martine Grael e Kahena Kunze se recuperam em Enoshima e o bicampeão olímpico Robert Scheidt mostra que está pronto para sua sexta medalhaO bicampeão olímpico Robert Scheidt, que tenta seu sexto pódio olímpico e sete edições, é o terceiro colocado na classificação geral. O atleta paulista teve o seu melhor desempenho até aqui terminando com 33 pontos, 15 a mais que o primeiro colocado Pavlos Kontides do Chipre que acumulou 18.

A campanha da dupla brasileira nos Jogos de Tóquio foi de superação na raia de Enoshima. Na primeira regata, elas ficaram apenas na 15ª posição, a pior colocação que tiveram no Japão. Mas depois foram melhorando e se acostumando com a imprevisibilidade da baía, que oscila com ventos fortes e fracos e ainda sempre existe a possibilidade de chegada de tufão.

Em desvantagem na disputa, Martine e Kahena se recuperaram e no sábado de madrugada, nas duas últimas disputas antes da medal race, ficaram com um segundo lugar e um décimo lugar e empataram na liderança, já que as holandesas tiveram uma 11ª posição e uma 16ª, que acabou sendo o descarte delas.

No dia marcado para a medal race, na segunda-feira, as condições meteorológicas obrigaram os organizadores a cancelar as regatas do dia. Por causa da falta de ventos, a decisão da classe 49er FX foi adiada em um dia. "É normal isso acontecer. Nos Jogos do Rio isso ocorreu também. A gente dependo do vento para velejar", explicou Torben Grael, chefe da equipe de vela do Brasil.

Jogos Olímpicos de Tóquio têm cenário parecido com da Rio-2016 nas regatas de 49erFX

  Jogos Olímpicos de Tóquio têm cenário parecido com da Rio-2016 nas regatas de 49erFX Martine Grael e Kahena Kunze podem confirmar vaga na medal race neste sábado; Robert Scheidt ainda tem chances de pódio no Japão+ Torcem para quem? Saiba o time do coração de diversos atletas brasileiros dos Jogos Olímpicos de Tóquio

Esta foi a 19º medalha da vela brasileira na história dos Jogos Olímpicos e a única conquistada pela modalidade até o momento em Tóquio. Também é o nono pódio da família Grael, que tem em Torben, pai de Martine, o principal expoente. Ele disputou seis edições da Olimpíada e ganhou duas de ouro (Atlanta-1996 e Atenas-2004), uma de prata (Los Angeles-1984) e duas de bronze (Seul-1988 e Sydney-2000).

Lars Grael, tio da atleta, competiu em quatro Olimpíadas e tem duas medalhas de bronze no currículo (Seul-1988 e Atlanta-1996). Outro integrante da família é Marco Grael, irmão de Martine e que está competindo em Tóquio na classe 49er, mas acabou na 16ª posição geral e não se classificou para a medal race.

Isaquias Queiroz, medalhista de ouro: 'Dedico a cada família que perdeu um ente querido para a Covid-19' .
Brasileiro dominou o C1 1000m masculino da canoagem de velocidade nos Jogos Olímpicos de Tóquio , Isaquias Queiroz não esconde a felicidade da sua grandiosa conquista, mas também não deixa de lembrar de quem vem sofrendo na pandemia. O brasileiro campeão olímpico aproveitou para dedicar sua medalha às pessoas que perderam um familiar para o novo coronavírus.

Ver também