TOP notícias

Mundo: Empresários dizem que antecipação de meta de emissões foi positiva, mas pedem plano mais claro

Brasil foi o país do G-20 que mais regrediu em metas para cortar emissões, diz relatório da ONU

  Brasil foi o país do G-20 que mais regrediu em metas para cortar emissões, diz relatório da ONU Gestão Jair Bolsonaro revisou base de cálculo de metas para frear aquecimento global, o que resulta em previsão mais alta de emissões até 2030; COP-26 começa na próxima semanaO Relatório sobre Lacuna de Emissões, do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), detalha o status das promessas dos países para reduzir as emissões de CO2, chamadas de NDCs (sigla em inglês para Contribuições Nacionalmente Determinadas). As NDCs são apresentadas a cada cinco anos e refletem os compromissos de redução de emissões dos países para conter o aquecimento global.

Quer se manter informado, ter acesso a mais de 60 colunistas e reportagens exclusivas?Assine o Estadão aqui!

RIO - O Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (Cebds), que reúne grupos responsáveis por quase 50% do PIB brasileiro, afirmou nesta segunda-feira, por meio de nota, que foi positiva a decisão do governo federal de anunciar na Conferência do Clima (COP-26), em Glasgow, a antecipação da meta de neutralidade de carbono de 2060 para 2050. O Cebds lembrou que o setor empresarial brasileiro defendia desde a Cúpula do Clima, em abril deste ano, que o Brasil antecipasse sua meta de neutralidade climática - ou seja, a data em que todas as emissões de gases do efeito estufa estivessem neutralizadas, seja pela eliminação dessas emissões ou pela compensação.

Brasil vai na contramão do mundo e tem alta de 9,5% nas emissões em meio à pandemia

  Brasil vai na contramão do mundo e tem alta de 9,5% nas emissões em meio à pandemia Desmatamento explica piora no cenário; se a Amazônia fosse um país, suas 782 milhões de toneladas de CO2 emitidas em 2020 fariam dela a 9ª nação mais poluidora do mundoOs dados são do Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa (SEEG), do Observatório do Clima, que reúne 70 organizações ligadas à área ambiental, institutos de pesquisa e movimentos sociais. Na próxima semana, começa a 26ª edição da Conferência do Clima (COP-26), em Glasgow, onde o Brasil pretende cobrar dos países desenvolvidos verbas para manter a floresta em pé por aqui.

“Por isso, o anúncio de que o país tornará oficial o ano de 2050 como data limite para a neutralidade é positivo. É importante que esse compromisso venha acompanhado de um plano, metas e métricas claros, que aumentem agora a ambição climática do país”, afirmou o Cebds por meio da nota.

Pressão. Governo federal tem sido criticado por alta do desmate e de incêndios na floresta © Gabriela Biló/Estadão Pressão. Governo federal tem sido criticado por alta do desmate e de incêndios na floresta

O grupo entende que a antecipação é essencial para o País ser bem-sucedido, aliada ao fim do desmatamento ilegal e à criação de um mercado regulado de carbono. Em setembro deste ano, o Cebds divulgou carta assinada assinada por líderes de grandes empresas brasileiras e estrangeiras e de entidades setoriais defendendo objetivos climáticos ambiciosos e o protagonismo do País nas negociações do clima.

OC processa governo por plano de clima insuficiente

  OC processa governo por plano de clima insuficiente Por Observatório do Clima - O Observatório do Clima (OC) protocolou ontem (26/10) uma ação civil pública na Justiça Federal do Amazonas contra a União e o Ministério do Meio Ambiente demandando a atualização o Plano Nacional sobre Mudança do Clima. Lançado em 2008, o plano é a espinha dorsal das políticas públicas de redução de gases-estufa no Brasil, mas nunca foi atualizado – portanto, não reflete nem as necessidades do Acordo de Paris de estabilizar o aquecimento global em 1,5oC, nem os recentes alertas da ciência sobre a urgência em produzir cortes drásticos de emissões em todos os países.

Nesta segunda-feira, o ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, anunciou que o Brasil vai aumentar a meta de redução de gases poluentes de 43% para 50% até 2030 e que esse novo compromisso será oficializado na COP26. O governo brasileiro também anunciou que vai antecipar a meta de zerar o desmatamento ilegal de 2030 para 2028, e alcançar uma redução de 50% até 2027.

Um dos líderes do movimento de empresários que cobrou do governo federal o combate ao desmatamento da Amazônia, o presidente do grupo Suzano, Walter Schalka, elogiou o aumento da meta brasileira de redução de emissões dos gases do efeito estufa. Para o executivo, o governo Jair Bolsonaro (sem partido) teria dado, desta vez, dado um passo na direção correta.

“Eu tenho escutado críticas sobre o tema, de que seria uma pedalada. Algumas ONGs me ligaram. Nós, brasileiros, precisamos entender que, desta vez, o governo deu um passo na direção correta”, diz Schalka, que vai desembarcar nos próximos dias em Glasgow, na Escócia, para participar da 26.ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP26).

Cobrança por metas mais ambiciosas e financiamento deve marcar COP26

  Cobrança por metas mais ambiciosas e financiamento deve marcar COP26 Cobrança por metas mais ambiciosas e financiamento deve marcar COP26Para a Organização das Nações Unidas (ONU), as conclusões do último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), divulgado em agosto, devem servir de alerta vermelho sobre o uso de energias fósseis. Elaborado por 234 autores de 66 países, o estudo mostrou que, nos últimos 50 anos, a influência humana levou o planeta à trajetória de aquecimento mais rápida em 2 mil anos e já produziu uma temperatura média que supera o período pré-industrial em mais de 1 grau Celsius (°C).

Especialistas afirmam que o governo foi responsável por uma "pedalada climática" já que a meta de 43% de cortes nas emissões até 2030 tomava como base os lançamentos de gases estufa na atmosfera em 2005. Schalka reconhece que a base de cálculo não está ainda clara. “O que não podemos deixar de reconhecer é a evolução que o governo brasileiro teve no aumento da nossa ambição climática", reafirma.

Sobre a capacidade do País de cumprir essa meta, o presidente da Suzano afirmou que isso não é suficientemente claro em relação a nenhum País participante da conferência do clima. Para ele, o Brasil pode atingir a meta atacando o desmatamento ilegal, que responde pela maior parte das emissões de gases poluentes no País. Nesse ponto, ele cobra redução do desmatamento ilegal o quanto antes, já no próximo ano.

Questionado se o Brasil poderia ter sido mais ambicioso, o executivo afirma que nenhum País chegará para as negociações com todas as cartas na mesa. “Ninguém cede tudo antes dos outros países também cederem. O movimento do Brasil foi relevante. Talvez cheguem à conclusão que todos terão que ceder”, diz o executivo, para quem países desenvolvidos têm obrigação de apresentar metas mais ambiciosas.

Para ele, o anúncio de metas mais ambiciosas do que anteriormente colocadas podem contribuir para melhorar a credibilidade do Brasil na conferência, desde que Brasil se posicione sobre a questão do desmatamento da Amazônia, que considera o “calcanhar de Aquiles" do País. “Fiquei positivamente impactado pela decisão do governo de ser mais ambicioso, mas obviamente precisaremos transformar isso em ação e realidade, mas foi um passo correto”.

Os gráficos que mostram que mais da metade das emissões de CO2 ocorreram nos últimos 30 anos .
A queima de combustíveis fósseis é o principal tema da COP26, a cúpula do clima da ONU em que países devem apresentar seus planos para o corte de emissões até 2030.Foi assim que o escritor e jornalista americano David Foster Wallace, especialista na crise climática, descreveu, em seu livro A Terra Inabitável: uma história do futuro, a história das emissões de CO2 da humanidade.

Ver também