TOP notícias

Mundo: Covid-19: protestos na Europa refletem decepção com promessas sobre vacina, diz historiador francês

Os símbolos nazistas que ainda estão presentes no Japão

  Os símbolos nazistas que ainda estão presentes no Japão Antropóloga atribui uso acrítico de símbolos nazistas a uma 'falta de sensibilidade histórica' mais do que a um alinhamento ideológico ou político. 'Nazi cosplay'"Muitos japoneses sabem que os nazistas cometeram crimes de guerra, mas o conhecimento é limitado. Visualmente, eles reconhecem os uniformes pretos da SS [Schutzstaffel, a organização paramilitar nazista], especialmente com a braçadeira vermelha, mas não é todo uniforme da Wehrmacht [das forças armadas alemãs sob Adolf Hitler] que lhes acende um sinal de alerta", diz a antropóloga polonesa.

A epidemia de Covid-19 voltou a se impor na Europa, apesar do acesso à vacinação, e pouco a pouco os governos de diversos países voltam a impor medidas para conter a propagação do vírus, que atinge principalmente a parcela da população não imunizada. Diversos protestos ocorreram na Bélgica e na Holanda neste fim de semana, onde o governo retomou várias restrições diante do aumento das contaminações.

  Covid-19: protestos na Europa refletem decepção com promessas sobre vacina, diz historiador francês © AP Photo/Olivier Matthys

Taíssa Stivanin, da RFI

A onda de protestos contra o retorno das restrições sanitárias se espalha quase na mesma velocidade que o vírus da Covid-19 na Europa. Neste domingo (21), pela 3ª noite consecutiva, as manifestações causaram tumulto e estragos nas cidades holandesas de Enschede, perto da fronteira com a Alemanha, em Groninguen e Leuwardeen, no norte, e em Tilburgo, no sul do país. Os participantes protestam contra o lockdown parcial reintroduzido pelas autoridades, o fechamento de bares e restaurantes às 20h e a restrição do acesso de não-vacinados a certos locais.

É justo que quem recusou vacina contra covid seja impedido de trabalhar?

  É justo que quem recusou vacina contra covid seja impedido de trabalhar? Muitos países estão olhando para os programas de mandato de vacina dos EUA e se perguntando se as vacinas deveriam ser tornadas obrigatórias para muitos trabalhadores.Desde ser impedido de frequentar restaurantes e eventos esportivos a perder seus empregos, os comprovantes de vacinação se tornaram um grande problema, especialmente nas últimas semanas em Nova York.

A Bélgica também foi palco de manifestações neste fim de semana. Cerca de 35 mil manifestantes foram às ruas de Bruxelas neste domingo (22) demonstrar sua revolta contra medidas que haviam sido abandonadas há meses no país e e foram retomadas nesta sexta-feira (19) pelo governo. Entre elas, a obrigatoriedade do passaporte sanitário e o retorno das máscaras e do trabalho à distância generalizado.

Durante o protesto, que começou de forma pacífica, um grupo de manifestantes jogou pedras e fogos de artifício nos policiais, que reagiram com bombas de gás lacrimogêneo e jatos de água. Carros foram vandalizados e fachadas e móveis públicos foram incediados nas ruas. Atualmente, o país registra 10.300 novas infecções diárias e a velocidade de propagação do vírus é a maior observada em um ano.

Covid: por que Brasil é único país que dará 3ª dose de vacina da Janssen

  Covid: por que Brasil é único país que dará 3ª dose de vacina da Janssen Ao contrário de outros locais que já aprovaram um reforço dois meses após a primeira dose, Brasil já projeta uma terceira aplicação aos indivíduos que receberam o imunizante da Janssen. Entenda os motivos e as controvérsias por trás da decisão.O esquema tem levantado muitas dúvidas entre a população e algumas críticas entre os especialistas, que chamam a atenção para o fato de outras partes interessadas no assunto, como a Anvisa e a Janssen, não terem sido consultadas.

Em outros países, como a Áustria, que iniciou um lockdown nacional nesta segunda-feira (22) e na Alemanha, que vive uma violenta onda epidêmica por conta da taxa insuficiente de vacinaçao, os protestos também continuam. Hoje, o ministro da Saúde alemão, Jens Spahn, disse que os alemães estarão "vacinados, curados ou mortos" até o final do inverno, com a rápida propagação da variante Delta no território.

Apesar da grave situação epidêmica, o que revela a revolta que se propaga nos países europeus? O historiador francês Laurent-Henri Vignaud é especialista em História da Ciência e co-autor do livro ANTIVAX, La résistance aux vaccins du XVIIIe siècle à nos jours (Antivacinas, a resistência às vacinas do século 18 aos dias atuais, em tradução livre).

Em entrevista à RFI Brasil, ele explicou que é provável que uma parte da população tenha se decepcionado com a promessa de alguns governos de que a vacina bastaria para acabar com a epidemia. O historiador francês explica que os protestos na Europa são, principalmente, uma crítica à gestão política da epidemia, e não às vacinas em si.

Haaland deve privilegiar aspecto esportivo antes do econômico na decisão sobre novo clube em 2022

  Haaland deve privilegiar aspecto esportivo antes do econômico na decisão sobre novo clube em 2022 Centroavante do Borussia Dortmund está disposto a deixar a Bundesliga e é alvo de interesse do Real Madrid, Paris Saint-Germain, Manchester City e Manchester UnitedO Real Madrid é um dos principais interessados no centroavante e pode se animar com a informação por não ter a mesma condição econômica de investir no jogador como o Paris Saint-Germain, Manchester City ou Manchester United, que são os outros times na disputa.

"Na Europa, é evidente que estamos vivendo uma onda de contaminações intensa e o perigo epidêmico está presente", diz. "Mas, entre as pessoas que estão nas ruas, há provavelmente algumas que são vacinadas e estimam que fizeram o 'esforço' necessário para controlar a epidemia. Nesse sentido, podem considerar abusivas todas as medidas extras tomadas pelo governo. Para elas, não é normal que algumas restrições sejam reintroduzidas", avalia Laurent-Henri Vignaud.

De acordo com ele, o descontentamento popular também pode estar ligado ao discurso "um pouco otimista demais" dos governos europeus, que prometeram que, com a chegada da vacina, a crise sanitária chegaria ao fim. "A vacina chegou, mas a crise continua, e isso é pouco demais para o nível de compreensão de algumas pessoas", ressalta o historiador.

Os estudos mostram que os imunizantes, principalmente à base de RNA mensageiro, são eficazes contra as formas graves da variante Delta, mas não impedem a transmissão. Além disso, como mostram várias pesquisas, a eficácia dos produtos tende a diminuir com o tempo, o que vem levando alguns governos a aprovar a terceira dose para a população maior de idade seis meses depois de ter recebido a segunda injeção.

'Apoio a ditaduras revela esquerda anacrônica', afirma historiador

  'Apoio a ditaduras revela esquerda anacrônica', afirma historiador Alberto Aggio diz que Lula tem papel ambíguo entre a ideia da revolução e a social-democraciaQuer se manter informado, ter acesso a mais de 60 colunistas e reportagens exclusivas?Assine o Estadão aqui!

"Fenômeno de países ricos"

O público não especializado, reitera o historiador francês, pode ter dificuldades em entender o papel da vacina no controle epidêmico - prevenir formas graves e mortes sem evitar, entretanto os contágios, que podem se propagar rapidamente caso a taxa de vacinação seja insuficiente. Esse é o caso, por exemplo, da Alemanha, que vive seu pior momento desde o início da crise sanitária e cuja taxa de vacinação da população em geral, de 68%, é uma das piores do continente.

"A hesitação vacinal é um fenômeno de países ricos e principalmente ocidentais, do hemisfério norte", ressalta o pesquisador francês. Os países do sul estão mais acostumados ao risco epidêmico e a enfrentar um certo número de doenças graves, como é o caso da malária na África, por exemplo", cita. "O risco epidêmico para as populações que vivem no países do hemisfério sul é algo cotidiano e concreto. Esse não é o caso das populações no norte, por razões variadas", explica.

Segundo Laurent-Henri Vignaud, há uma "defasagem no mundo" em relação à necessidade da vacinação, e isso não se refere somente à Covid-19. "De um lado temos uma parte do mundo, em situação mais precária, que primeiro leva em conta o risco epidêmico. Nos países ricos, as pessoas se sentem no direito se questionar o que há nas vacinas, já que o risco de morrer, na opinião delas, é 'menor.' ", explica, se referindo, por exemplo, à rede de atendimento médico e hospitalar de países como a França, que é gratuita e acessível para toda a população.

Paris Saint-Germain mantém diálogo com Zidane há alguns meses

  Paris Saint-Germain mantém diálogo com Zidane há alguns meses PSG também conversou com Antonio Conte, atualmente no Tottenham, e Didier Deschamps, técnico da França, em caso de demissão de Mauricio PochettinoO ex-comandante do Real Madrid pode ter a oportunidade de dirigir a equipe do Parque dos Príncipes por conta do interesse do Manchester United em Pochettino. Após a demissão de Ole Solskjaer, o argentino é o alvo favorito dos Red Devils.

"Quando observamos o comportamento dos antivax (pessoas contrárias às vacinas) e dos antipass (contra o passaporte sanitário), eles não só minimizam o risco como chegam ao ponto de negá-lo", ressalta Laurent-Henri Vignaud, lembrando que alguns grupos complotistas franceses defendem que a epidemia é uma invenção da OMS (Organização Mundial da Saúde) para controlar a população. "Eles são, entretanto, minoritários", ressalta.

Franceses aprovaram passaporte sanitário

O pesquisador também chama atenção para o fato de a França ter se "conformado" com o passaporte sanitário, que apesar de sua população ser conhecida por contestar as decisões do governo, o país tem uma das maiores taxas de vacinação da Europa e do mundo, com mais de 75% das pessoas imunizadas.

"Depois das manifestações do mês de agosto, o passaporte sanitário é, no fim, bem aceito. Podemos notar uma certa docilidade da população francesa que vai na contramão dos clichês habituais. Mas quando o Estado oferece uma solução igualitária - os franceses são muito apegados a esse princípio, pode dar certo. O passaporte sanitário foi uma medida que acabou sendo aceita no país porque as pessoas entenderam sua lógica", reitera.

"O governo incitou à vacinação para que o país pudesse sair da crise e para evitar a saturação dos hospitais. Neste sentido, explica, aqueles que se vacinaram agiram como bons cidadãos dentro dessa lógica, então é normal, entre aspas, que sejam recompensados pelas suas boas ações e que os outros, que se recusam a ser imunizados, sejam sancionados e tenham restrições de liberdade em relação aos outros", resume.

Há 125 anos, Canudos escancarou dificuldades do Brasil rural .
Milhares de sertanejos foram mortos pelo Estado durante o conflito. Historiadores avaliam que problemas dessa população ainda persistem“Canudos foi o primeiro grande movimento social de contestação da ordem republicana, que provocou derrotas humilhantes para as autoridades brasileiras”, define o historiador Paulo César Garcez Marins, pesquisador do Museu Paulista da Universidade de São Paulo (USP).

Ver também