TOP notícias

Mundo: Disney+ de Hong Kong remove episódio dos Simpsons visitando Praça Tiananmen

Bônus do setor imobiliário chinês têm forte recuperação na semana; Evergrande fica de fora

  Bônus do setor imobiliário chinês têm forte recuperação na semana; Evergrande fica de fora Bônus do setor imobiliário chinês têm forte recuperação na semana; Evergrande fica de foraUma enxurrada de vendas de ativos e colocações de ações, incluindo algumas da própria Evergrande, geraram esperanças nesta semana de que o setor será capaz de evitar uma crise total e, finalmente, se estabilizar.

Um episódio da série de animação americana Os Simpsons, no qual a família visita a Praça Tiananmen (Paz Celestial) em Pequim, foi removido da plataforma de streaming Disney+ em Hong Kong.

Celular mostra catálogo do serviço da Disney+ em Hong Kong com lista de episódios da série Os Simpson © Peter PARKS Celular mostra catálogo do serviço da Disney+ em Hong Kong com lista de episódios da série Os Simpson

A retirada do episódio provoca o temor de que a censura se torne regra no centro financeiro, como acontece na vizinha China continental.

A Disney+ lançou seu serviço em meados de novembro em Hong Kong e os espectadores mais familiarizados com a série constataram rapidamente a ausência de um episódio dedicado à China.

Hong Kong aprova uso da CoronaVac para crianças a partir de 3 anos

  Hong Kong aprova uso da CoronaVac para crianças a partir de 3 anos Imunização será aos poucos, começando com adolescentes de 12 a 17 anosSegundo o governo de Hong Kong, os ensaios clínicos indicaram que a CoronaVac é “imunogênica, segura e bem tolerada” por crianças dos 3 aos 17 anos. O comunicado também afirma que os benefícios da vacinação contra a covid-19 entre as crianças são maiores que riscos.

Trata-se do episódio 12 da temporada 16, que foi exibido pela primeira vez em 2005, no qual a família viaja para a China com a esperança de adotar uma criança.

Durante sua estadia, eles visitam a Praça Tiananmen em Pequim, na qual as manifestações pró-democracia foram reprimidas com violência em 1989.

No desenho animado, uma faixa diz "Neste lugar, em 1989, não aconteceu nada", uma ironia sobre a forma como Pequim tentou apagar o massacre da memória coletiva.

Nesta segunda-feira, a AFP consultou a Disney+ Hong Kong e a empresa respondeu que os episódios 11 e 13 da 16ª temporada estão disponíveis, mas o 12 não.

Não ficou claro se foi a própria Disney+ que retirou este episódio ou se as autoridades a ordenaram a fazer isso.

Diante das perguntas da AFP, a gigante do entretenimento americana se recusou a fazer comentários, assim como o governo de Hong Kong.

Fundador da Evergrande vende 9% de participação por US$344 mi em meio à crise de dívidas

  Fundador da Evergrande vende 9% de participação por US$344 mi em meio à crise de dívidas Fundador da Evergrande vende 9% de participação por US$344 mi em meio à crise de dívidasHONG KONG (Reuters) - O presidente da chinesa Evergrande, Hui Ka Yan, vendeu 1,2 bilhão de ações da empresa a um preço médio 2,23 dólares de Hong Kong cada na quinta-feira, de acordo com registros da Bolsa de Valores de Hong Kong.

O território desfrutava há muito tempo de liberdades artísticas e políticas que não existem na China continental.

Para encerrar os protestos pró-democracia, às vezes violentos, que abalaram o território em 2019, Pequim impôs no ano passado uma lei de segurança nacional que proibiu a maior parte da dissidência.

Em junho, Hong Kong concedeu poderes a um Comitê de Censura para proibir qualquer filme que considere uma ameaça para a segurança nacional.

Na semana passada, a chefe do Executivo designada por Pequim, Carrie Lam, se comprometeu a "preencher rapidamente as lacunas" existentes sobre a internet e adotar uma regulamentação para as "fake news".

jta/je/juf/mav/lch/age/zm/aa

Magnata da imprensa Jimmy Lai condenado por vigília de Tiananmen em Hong Kong .
O magnata da imprensa Jimmy Lai e outras duas ativistas pró-democracia de Hong Kong foram condenados nesta quinta-feira (9) por participação em uma vigília por Tiananmen (Praça da Paz Celestial) que foi proibida pelas autoridades deste centro de negócios internacional. O empresário de 74 anos, dono do jornal pró-democracia Apple Daily - que foi fechado -, foi julgado em um processo contra mais de 20 políticos e e ativistas que prestaram homenagem ao massacre da Praça da Paz Celestial de Pequim em 1989.Além de Lai, a ex-jornalista Gwyneth Ho e a proeminente advogada Chow Hang-tung também foram condenadas.

Ver também