TOP notícias

Mundo: Guedes diz que se comprometeu com OCDE a baixar IOF como requisito para entrar no grupo

Aliados de Lula e Alckmin veem aliança pavimentada mesmo com desgastes

  Aliados de Lula e Alckmin veem aliança pavimentada mesmo com desgastes SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Aliados do ex-presidente Lula (PT) e do ex-governador Geraldo Alckmin (sem partido) avaliam que a construção da chapa conjunta está pavimentada e que a união demonstrou, nesta semana, resistir a desafios de ordem programática e partidária. Mesmo com as linhas gerais do plano econômico de Lula divulgadas no jornal Folha de S.Paulo em um artigo do ex-ministro Guido Mantega e a ampliação do debate no PT sobre a revogação da reforma trabalhista, interlocutores de Alckmin afirmam que diferenças pontuais nas propostas do petista e do ex-tucano não serão entraves para a aliança.

Quer se manter informado, ter acesso a mais de 60 colunistas e reportagens exclusivas?Assine o Estadão aqui!

BRASÍLIA - O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta terça-feira, 25, que se comprometeu com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) na semana passada com a redução das alíquotas do IOF, imposto cobrado sobre operações financeiras. “Era o último requisito econômico que faltava depois do PL cambial, aprovado no fim do ano passado”, disse.

Guedes não deu mais informações sobre essa questão. O compromisso do Brasil com a OCDE é a de aprovar um decreto que mostre a redução gradual das alíquotas do Imposto. Na semana passada, conforme informou o Estadão/Broadcast mais cedo, o ministro enviou uma carta ao organismo multilateral enfatizando os compromissos do País com questões de capital.

Nos EUA, políticos têm prazo para divulgar operações na Bolsa

  Nos EUA, políticos têm prazo para divulgar operações na Bolsa ‘Business Insider’ revela que mais de 50 congressistas americanos violaram lei de conflito de interessesO site Business Insider e outros veículos da mídia norte-americana revelaram, no entanto, que mais de 50 congressistas do país violaram a lei ao não tornar públicas transações ou demorar até mais de 1 ano para fazê-lo.

Ao lado do ministro Ciro Nogueira, Guedes disse que todas reformas que o Congresso aprovou foram decisivas para a equipe econômica e acrescentou: “vamos continuar nesse caminho”. O ministro também não comentou sobre isso, mas a diminuição do IOF precisa passar pelo crivo do Congresso. “O processo de acesso à OCDE exige convergência na reforma tributária, na liberação financeira e nos acordos internacionais de serviço, tudo o que vínhamos dizendo desde o começo do governo”, afirmou.

Ministro da Economia, Paulo Guedes.  © Gabriela Biló/Estadão - 02/10/2020 Ministro da Economia, Paulo Guedes.

Hoje, a OCDE aprovou a abertura do processo de adesão à entidade que fica em Paris a seis países: Brasil, Argentina, Peru, Croácia, Bulgária e Romênia. Com isso, os candidatos poderão começar oficialmente o processo de adesão, que costuma demorar de três a quatro anos. Há a expectativa, no entanto, de que os trâmites, no caso doméstico, serão mais céleres porque o Brasil é o mais avançado entre os postulantes – aderiu a 103 de 215 instrumentos da organização até o momento.

Betinho fecha ‘pacotão’ e aciona Sport na Justiça; volante recuou de acordo e pede bolada milionária

  Betinho fecha ‘pacotão’ e aciona Sport na Justiça; volante recuou de acordo e pede bolada milionária A segunda-feira (17), trouxe um novo problema para o Sport resolver na Justiça do Trabalho. Segundo informação do Globoesporte.com, o volante Betinho acionou o Rubro-Negro pedindo a rescisão indireta do seu contrato. As reinvindicações do jogador não param por aí, já que no escopo da ação, também é cobrado R$ 3.076.394,30 por conta de atrasos no pagamento de direito de imagem, FGTS, 13º salário, férias e outros direitos trabalhistas entre 2020 e 2021. A bolada pedida pelo volante tem como maior parte, o valor da "Cláusula Compensatória Desportiva", referente à multa rescisória do vínculo, que aponta para o montante de R$ 1,568 milhão.

A aprovação do Projeto de Lei Cambial no fim do ano passado pelo Congresso pode ser vista como mais um avanço para o Brasil se adequar aos padrões internacionais indicados pela OCDE.

O Brasil fez a solicitação para ingressar na instituição que já foi chamada de “clube dos ricos”, em 2017, no governo de Michel Temer. O processo estava paralisado nos últimos anos por causa de um embate entre os Estados Unidos e a União Europeia. O bloco exigia que a cada novo membro do globo na organização, um país do continente também deveria ingressar na entidade. O então presidente Donald Trump, no entanto, torcia o nariz para um crescimento tão rápido da OCDE. Inicialmente, Trump tinha preferência pela Argentina, mas depois que um governo mais à esquerda ganhou a eleição no País vizinho, os EUA passaram a apoiar o Brasil.

Ao contrário de outras entidades multilaterais, a OCDE não é conhecida por ações financeiras, como o Fundo Monetário Internacional (FMI). A entidade é uma referência para padrões internacionais, principalmente nas áreas de economia e educação.

Giuliano coloca elenco do Corinthians entre os melhores do Brasil e exalta mescla entre experientes e jovens

  Giuliano coloca elenco do Corinthians entre os melhores do Brasil e exalta mescla entre experientes e jovens O Corinthians está montando um elenco forte para 2022. Após a chegada de Giuliano, Renato Augusto, Roger Guedes e Willian na última temporada, o time fechou com Paulinho e Bruno Melo, está próximo de acertar com Robson Bambu e ainda busca um centroavante. Para Giuliano, o elenco do Timão bate de frente com os melhores do Brasil. Em entrevista ao programa “Bem Amigos”, da SporTV, o meia afirmou que o Corinthians encara Flamengo, Atlético-MG e Palmeiras de igual para igual. “Encara, sem sombra de dúvidas. Acredito muito na minha equipe, acredito muito no trabalho que estamos fazendo.

Guedes disse que o Brasil é um grande país e que faz parte do grupo das 20 maiores economias do globo (G20), dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e que agora foi convidado a participar da OCDE. “O processo de acesso à OCDE é o reconhecimento de que somos grande país. Nos faltava essa dimensão”, afirmou, dizendo que era uma de suas prioridades na agenda internacional desde o início do governo.

O ministro também afirmou que o Brasil é o único país a participar dessas três entidades simultaneamente. “(O Brasil) É o único. Somos um País multicultural, com a maior democracia do Ocidente, que está entre as 10 maiores economias de mercado, maior potência verde do mundo e também uma potencia digital”, citou mencionando mais uma vez o prêmio de governo mais digitalizado das Américas, “à frente de EUA e Canadá”.

Ao final do pronunciamento – os jornalistas não puderam fazer perguntas -, Guedes fez uma pequena menção sobre o Mercosul, dizendo que o bloco nos últimos anos foi “arrefecendo” e “descendo”.

O ministro enfatizou também que “mais de um terço dos requisitos legais (exigidos pela OCDE) foram atendidos por este governo”. “Estamos há mais de 30 anos tentando esse acesso e apenas neste governo fizemos um terço do que temos, sabendo-se que há dois estamos em pandemia”, afirmou. Na realidade, o Brasil solicitou a entrada na OCDE em 2017, durante o governo de Michel Temer.

Guedes comentou que se encontrou algumas vezes com o novo secretário-geral da OCDE, Matheus Cormann. A última delas foi em Roma, durante a reunião do G20, ao lado do presidente Jair Bolsonaro, mas citou também que se reuniu com o australiano em Washington. Cormann, segundo o ministro, teria dito sobre a importância do Brasil para a OCDE, principalmente em relação à questão ambiental.

Mais uma vez, Guedes descreveu o encontro dizendo que afirmou ao secretário-geral que gostaria de ver esse reconhecimento em forma de adesão do Brasil à OCDE. “Disse que sabia que éramos importantes, mas que queríamos esse reconhecimento”, pontuou. O ministro também repetiu o relato sobre um encontro e um telefonema com a secretária do Tesouro americano, Jannet Yellen. “Yellen pediu ajuda do Brasil para aprovação do acordo global de tributação, e demos.”

Bolsonaro baixa MP que autoriza Brasil a retaliar países da OMC e põe Índia e Indonésia na mira .
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (PL) editou uma MP (medida provisória) que autoriza o Brasil a suspender concessões e retaliar membros da OMC (Organização Mundial do Comércio) por descumprimento de acordos. A MP foi publicada no DOU (Diário Oficial da União) desta quinta-feira (27). O Brasil ganha munição para retaliar dois parceiros comerciais com os quais tem contenciosos abertos na OMC —a Índia, por disputas no comércio de açúcar, e a Indonésia, na importação de frango. Apesar disso, interlocutores afirmam que as retaliações só serão avaliadas após a recusa desses parceiros em buscar uma solução negociada para as disputas.

Ver também