TOP notícias

Mundo: Onze corpos encontrados em garagem na Ucrânia

Mortes, negociações e retomada de Irpin: o 33º dia de guerra

  Mortes, negociações e retomada de Irpin: o 33º dia de guerra Prefeitura de Mariupol informou que em torno de cinco mil pessoas já morreram na cidade. Presidente ucraniano acena para possível "neutralidade" e reforça encontro com Putin. Magnata russo pode ter sido envenenado. © Ukrainian Presidential Press Office/AP/dpa/picture alliance Volodimir Zelenski acena para possível neutralidade da Ucrânia, desde que sejam asseguradas garantias de segurança ao país O 33º dia de guerra na Ucrânia, que começou oficialmente em 24 de fevereiro, foi marcado por um comunicado da prefeitura de Mariupol, no sul do país, de que em torno de cinco mil pessoas já morreram na cidade desde

"Em Gostomel, perto de Bucha, numa das garagens da rua Svyatopokrovskaya, a polícia encontrou onze civis mortos. Os moradores dizem que os atiradores dispararam sobre as pessoas e depois colocaram os mortos na garagem", disse Avakov num comunicado, citado pelo jornal ucraniano 'Ukrayinska Pravda'.

O ex-ministro do Interior ucraniano, Arsen Avakov, disse na quarta-feira à noite que onze corpos, alegadamente mortos por tropas russas, foram encontrados numa garagem em Gostomel, nos arredores de Kiev, capital da Ucrânia. © Lusa O ex-ministro do Interior ucraniano, Arsen Avakov, disse na quarta-feira à noite que onze corpos, alegadamente mortos por tropas russas, foram encontrados numa garagem em Gostomel, nos arredores de Kiev, capital da Ucrânia.

O controle de Gostomel, a noroeste de Kiev, com um aérodromo nas proximidades, foi alvo de fortes combates desde o início da guerra. As tropas ucranianas recuperaram esta semana o controle de Gostomel e das cidades vizinhas de Bucha e Irpin, após a retirada russa.

Negociações e possível recuo russo: o 34º dia de guerra

  Negociações e possível recuo russo: o 34º dia de guerra Nova rodada de negociações entre russos e ucranianos ocorreu na Turquia. Rússia pode reduzir ações militares nos arredores de Kiev, o que tende a levar seus militares para o leste e o sul da Ucrânia. © Sergei Karpukhin/TASS/dpa/picture alliance Quinta rodada de negociações entre delegações da Ucrânia e da Rússia ocorreu nesta terça-feira em Istambul, na Turquia O 34º dia de guerra na Ucrânia, que começou oficialmente com a invasão russa em 24 de fevereiro, foi marcado por uma rodada de negociações que teve resultados considerados relativamente positivos por ambos os lados e também por outros países e observadores.

O chefe da administração militar de Gostomel, Taras Dumenko, disse na terça-feira que mais de 400 pessoas estão dadas como desaparecidas na cidade, depois de 35 dias de ocupação por parte de tropas russas.

Foram encontrados em Bucha, a noroeste de Kiev, centenas de civis mortos nas ruas e em valas comuns, após a retirada dos militares russos.

Na noite de quarta-feira, a Administração Estatal de Kiev avançou que os alarmes antiaéreos foram ouvidos novamente na cidade.

"Atenção! Um alerta aéreo foi declarado em Kiev!", disse a administração num comunicado divulgado na plataforma Telegram e citado pela agência Ukrinform.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.563 civis, incluindo 130 crianças, e feriu 2.213, entre os quais 188 menores, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

A guerra já causou um número indeterminado de baixas militares e a fuga de mais de 11 milhões de pessoas, das quais 4,2 milhões para os países vizinhos.

Esta é a pior crise de refugiados na Europa desde a II Guerra Mundial (1939-1945) e as Nações Unidas calculam que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções econômicas e políticas a Moscou

Semana com turbulência: lembre episódios que agitaram o Flamengo desde 2020 .
Semana com turbulência: lembre episódios que agitaram o Flamengo desde 2020

Ver também