TOP notícias

Mundo: Presidente do Iêmen transfere poder a novo conselho de governo

Novos ataques da coalizão saudita contra rebeldes do Iêmen

  Novos ataques da coalizão saudita contra rebeldes do Iêmen A coalizão militar liderada pela Arábia Saudita afirmou neste domingo (26) que atacou posições dos rebeldes huthis na capital do Iêmen, Sanaa, um dia após o início de uma campanha militar em "larga escala" de Riad. A coalizão, que apoia desde 2015 o governo iemenita em seu conflito contra os huthies, próximos ao Irã, afirmou que destruiu depósitos de armas em Sanaa, uma posição controlada pelos rebeldes, segundo a agência oficial Saudi Presse Agency (SPA)."A operação em Sanaa foi uma resposta imediata contra a tentativa de transferir armas do campo de Al Tashrifat para Sanaa", afirmou a coalizão em um comunicado.

O presidente do Iêmen anunciou nesta quinta-feira (7) a formação de um novo conselho para governar o país, envolvido em um conflito com os rebeldes houthis.

O presidente Abd Rabbo Mansour Hadi em foto de 2020 © - O presidente Abd Rabbo Mansour Hadi em foto de 2020

"Delego meus poderes de modo irreversível ao conselho de comando presidencial", disse Abd Rabbo Mansour Hadi em uma mensagem exibida na televisão na madrugada de quinta-feira, último dia de negociações de paz organizadas em Riad, Arábia Saudita.

O novo conselho tem oito membros e será dirigido por Rashad al Alimi, ex-ministro do Interior e conselheiro do até agora presidente.

O governo de Hadi, reconhecido internacionalmente e apoiado por uma coalizão militar liderada pela Arábia Saudita, luta contra os rebeldes houthis desde 2014, quando os insurgentes tomaram o controle da capital Sanaa.

Conselho Deliberativo do Vasco vota emendas e conclui a primeira de quatro etapas antes da venda da SAF

  Conselho Deliberativo do Vasco vota emendas e conclui a primeira de quatro etapas antes da venda da SAF Cinco emendas foram aprovadas nesta quarta-feira, no complemento da reunião da última quinta. Próximo passo é a convocação da Assembleia Geral Extraordinária (AGE). E haverá um novo ciclo de reuniões no mesmo Deliberativo e AGE antes de ser concluída a negociação. © Reunião do Conselho Deliberativo do Vasco foi na sede náutica da Lagoa (Felippe Rocha) Reunião do Conselho Deliberativo do Vasco foi na sede náutica da Lagoa (Felippe Rocha) Confira a publicação do presidente do Conselho Deliberativo do Vasco, Carlos Fonseca, no site oficial do Cruz-Maltino:"Rio de Janeiro, 30 de março de 2022.

As esperanças de solução para o conflito, que provocou uma das piores crises humanitárias do mundo, aumentaram com o início, no sábado passado, de uma trégua após um acordo negociado pela ONU.

O cessar-fogo aconteceu de maneira paralela às negociações em Riad que, no entanto, não contaram com a presença dos houthis. Os insurgentes se negaram a entrar no que chamaram de "território inimigo".

Os analistas duvidavam do resultado das negociações sem a presença dos rebeldes, mas o anúncio desta quinta-feira sugere que o lado pró-governo estará unido em futuras conversações.

A formação do conselho representa "a mudança mais relevante nos trabalhos internos do bloque anti-houthis desde o início da guerra", tuitou Peter Salisbury, analista de questões do Iêmen para o International Crisis Group.

O conflito no Iêmen provocou centenas de milhares de mortes diretas e indiretas. Também levou os 30 milhões de habitantes do país mais pobre da península de Arábia a uma grave crise humanitária.

sy/rcb/je/mas-dbh/fp

Presidente do Iêmen entrega governo a aliança anti-rebeldes em meio a negociações de paz .
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente em exílio do Iêmen, Abd-Rabbuh Mansour Hadi, renunciou nesta quinta-feira (7) em favor de um conselho com oito pessoas em meio a negociações de paz lideradas pela ONU que garantiram um cessar-fogo na guerra que assola o país há sete anos. País mais pobre da Península Arábica e vizinho da poderosa Arábia Saudita, o Iêmen é palco de um conflito entre forças leais ao presidente iemenita eleito em 2012 e os rebeldes do grupo político dos houthis, apoiados pelo Irã, que assumiram o poder em 2014 ao tomar o controle da capital Sanaa.

Ver também