TOP notícias

Mundo: Cruzeiro inaugura academia oficial na Rússia e fecha acordo para nova unidade no Peru

Baixa! Jael desfalca o Ceará por seis meses

  Baixa! Jael desfalca o Ceará por seis meses Atacante teve lesão na reta final da temporada e precisou passar por uma cirurgia+ Veja no aplicativo do LANCE! o resultado dos jogos da rodada

O Cruzeiro continua buscando expandir seu nome fora do Brasil. O Departamento de Negócios Internacionais (DNI) do clube, com o objetivo de fechar novas parcerias e gerar novas receitas, inaugurou uma academia oficial na Rússia.

A abertura da unidade “Cruzeiro EC Brazilian Soccer Academy” aconteceu na última semana em Moscou, capital russa. O evento contou com a presença de alguns profissionais do Clube, como Adriano Andrade (Gerente do DNI), Éder Guedes (Treinador de Intercâmbio) e os atletas do sub-11 Wagner Junio e Gustavo Leandro.

Essa é a primeira “Academy” de uma agremiação brasileira na Rússia. O objetivo é aplicar a metodologia do Cruzeiro na formação de atletas e no futuro criar uma equipe para a disputa de competições oficiais na Europa.

Nesta terça-feira, o clube firmou mais uma nova parceria para abrir outra unidade da “Cruzeiro Academy” em Lima, no Peru. O intuito é que, em alguns meses, os peruanos possam realizar o intercâmbio na capital mineira.

Além dessas duas unidades, o clube ainda conta com academias oficiais no Japão (Tokyo e Mie), Chile (Santiago e Talca), Tailândia (Phuket e Bangkok) e Kuwait.

Qual é o futuro dos Brics após guerra da Ucrânia - e como Brasil se equilibra no bloco? .
Grupo formado por Rússia, Índia, Brasil, China e África do Sul e que prometia ser nova locomotiva econômica está em uma encruzilhada depois que um de seus membros invadiu o vizinho: ostracismo ou polo de poder geopolítico alternativo?A Guerra da Ucrânia, iniciada por um de seus cinco membros, pode forçar o grupo a cumprir um dos destinos que analistas internacionais apontam como o futuro da instituição: de um lado, virar um "bloco zumbi", sem impactos práticos para seus membros; de outro, se fortalecer a ponto de representar uma força alternativa ou antagonista a grupos dos países ricos como o G7 (composto por Canadá, França, Alemanha, Japão, Reino Unido, Itália e EUA).

Ver também