TOP notícias

Mundo: Presidente da Ucrânia quer negociações diretas com a Rússia para resolver conflito

Mortes, negociações e retomada de Irpin: o 33º dia de guerra

  Mortes, negociações e retomada de Irpin: o 33º dia de guerra Prefeitura de Mariupol informou que em torno de cinco mil pessoas já morreram na cidade. Presidente ucraniano acena para possível "neutralidade" e reforça encontro com Putin. Magnata russo pode ter sido envenenado. © Ukrainian Presidential Press Office/AP/dpa/picture alliance Volodimir Zelenski acena para possível neutralidade da Ucrânia, desde que sejam asseguradas garantias de segurança ao país O 33º dia de guerra na Ucrânia, que começou oficialmente em 24 de fevereiro, foi marcado por um comunicado da prefeitura de Mariupol, no sul do país, de que em torno de cinco mil pessoas já morreram na cidade desde

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, pediu nesta quarta-feira (1) "negociações diretas" com a Rússia para acabar com o conflito no leste do país, em um momento de grande tensão com Moscou, acusado por Kiev de preparar uma eventual invasão.

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky © GENYA SAVILOV O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky

Embora Moscou negue qualquer intenção bélica, a presença cada vez maior de tropas russas nos limites da ex-república soviética geram inquietação na Ucrânia, que teme uma invasão e pede aos aliados ocidentais que tentem dissuadir o Kremlin.

Em um cenário de tensões crescentes, o presidente ucraniano Zelensky defendeu no Parlamento o início de conversações com a Rússia para frear o conflito aberto desde 2014 com separatistas pró-Rússia no leste do país.

Rússia promete reduzir sua ofensiva em Kiev após negociações 'significativas' com Ucrânia

  Rússia promete reduzir sua ofensiva em Kiev após negociações 'significativas' com Ucrânia A Rússia se comprometeu, nesta terça-feira (29), a reduzir a atividade militar em torno de Kiev após as negociações "significativas" em Istambul, onde os negociadores ucranianos pediram garantias internacionais para a segurança do país. A Rússia, consequentemente, decidiu reduzir de forma "radical" sua atividade militar em torno de Kiev, a capital do país, e em Chernihiv (norte). O chefe da delegação russa, Vladimir Medinksi, afirmou que as negociações foram "significativas".Porém, o secretário de Estado americano, Antony Blinken, afirmou hoje que os Estados Unidos duvidam da "seriedade" da Rússia nas negociações de paz.

"Temos que dizer a verdade, que não poderemos parar a guerra sem negociações diretas com a Rússia", afirmou Zelensky. "Não tenho medo de uma conversa direta com o presidente russo" Vladimir Putin, insistiu.

Na terça-feira, o chefe de Estado da Rússia afirmou que é necessário "reparar os vínculos" com Kiev para que "ninguém se sinta ameaçado".

Desde a anexação da península da Crimeia por Moscou, o governo ucraniano luta contra separatistas pró-Rússia em um conflito que já deixou mais de 13.000 mortos.

Os pedidos de diálogo contrastam com a tensão na fronteira entre os países, área para a qual a Ucrânia acusa a Rússia de ter enviado dezenas de milhares de soldados e armamento pesado.

- Reunião Blinken-Lavrov -


Video: EUA advertem Rússia sobre Ucrânia (AFP)

Putin pede garantias de segurança dos EUA para evitar conflito com Ucrânia

  Putin pede garantias de segurança dos EUA para evitar conflito com Ucrânia BRASÍLIA, DF (UOL/FOLHAPRESS) - A Rússia busca evitar conflitos com a Ucrânia, mas as potências ocidentais devem fornecer ao Kremlin —sede do governo russo— garantias de "segurança incondicional", segundo disse o presidente russo, Vladimir Putin, nesta quinta-feira (23). Em entrevista a jornalistas, Putin afirmou que os EUA têm mísseis "à porta da Rússia" e que o "Ocidente tem vantagens bélicas" em relação ao país eurasiático. A conferência ocorre num momento em que os governos dos Estados Unidos e da Europa afirmam que a Rússia se prepara para invadir a Ucrânia no início do ano que vem —o que o presidente Putin voltou a negar em sua entrevista.

A questão foi abordada em uma reunião da Otan nesta quarta-feira em Riga, na Letônia, outra ex-república soviética agora integrada à União Europeia e também limítrofe com a Rússia.

Após a reunião, o chefe da diplomacia dos Estados Unidos, Antony Blinken, anunciou um encontro na quinta-feira em Estocolmo com seu colega russo Serguei Lavrov, que criticou nesta quarta-feira a "política destrutiva" dos países da Otan.

Segundo o ministro russo, a aliança militar do Atlântico Norte "busca captar a Ucrânia para sua órbita e transformá-la em um país anti-Moscou".

O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, considerou que é necessário "explicar que qualquer agressão contra a Ucrânia receberá uma resposta firme".

Também presente na reunião da Otan, o ministro ucraniano das Relações Exteriores, Dmytro Kuleba pediu aos aliados ocidentais que adotem um "pacote de dissuasão" contra Moscou.

Atacante na área! Carlos de Pena é anunciado pelo Internacional

  Atacante na área! Carlos de Pena é anunciado pelo Internacional Uruguaio é o mais novo reforço do Colorado para a sequência da temporada 2022Aos 30 anos, ele desembarca com a responsabilidade de ajudar Alexander Medina a deixar o seu time mais veloz dentro das quatro linhas.

A Rússia acusou reciprocamente a Ucrânia de "reforçar suas capacidades militares, com a presença de equipamento pesado e oficiais" no leste do país.

Kiev mobilizou 125.000 soldados, ou seja, metade das Forças Armadas ucranianas, afirmou a porta-voz do ministério russo das Relações Exteriores, Maria Zakharova.

Também acusou o país vizinho de sabotar o processo de paz em 2015 com os separatistas ao organizar exercícios militares na presença de tropas estrangeiras no próximo ano, motivo de "grave preocupação" em Moscou.

"A Ucrânia não prevê nenhuma ofensiva militar no leste", afirmou na segunda-feira o chanceler do país.

A tensão atual recorda a crise de abril, quando a Rússia mobilizou dezenas de milhares de soldados na fronteira ucraniana para "exercícios militares" em resposta às atividades "ameaçadoras" da Otan.

ant-gkg/lch/dbh/bl/fp

Por que Rússia quer dominar região de Donbas .
O “barato” de uma nova droga ilegal e de baixo custo está levando jovens de Serra Leoa a um lugar sombrio. Alguns enlouquecem, outros se ferem e muitos cometem crimes para sustentar o vício no kush: uma mistura de folhas trituradas com elementos químicos que é consumida na forma de cigarros. Usuários da droga se acumulam nas alas psiquiátricas de hospitais locais e a polícia trava uma dura batalha para tirá-la de circulação. Nesta reportagem, o produtor de vídeos Tyson Conteh investiga para o BBC Africa Eye a marcha implacável do kush, que se espalha como fogo e atinge usuários cada vez mais jovens. Será que o país tem condições de impedir o avanço dessa droga tão viciante? Confira no vídeo.

Ver também