TOP notícias

Mundo: Em pausa ou em pane: estado das forças russas na Ucrânia é questionado

Relembre a trajetória da carreira de Lima Duarte!

  Relembre a trajetória da carreira de Lima Duarte! Relembre a trajetória da carreira de Lima Duarte!

O exército russo se concentra em sua reorganização logística? Ou as dificuldades que enfrenta são tais que não tem escolha a não ser diminuir suas ambições? Após seis semanas de guerra, que começou com dificuldades, a questão permanece.

Soldados ucranianos passam por uma ponte destruída na entrada de Irpin, perto de Kiev, em 1º de abril de 2022, em meio à invasão russa da Ucrânia © RONALDO SCHEMIDT Soldados ucranianos passam por uma ponte destruída na entrada de Irpin, perto de Kiev, em 1º de abril de 2022, em meio à invasão russa da Ucrânia

Se os especialistas ocidentais são unânimes em descrever um início fracassado do conflito para a Rússia, que sonhava em tomar Kiev em poucos dias, a atual redistribuição no leste e no Donbas dá origem a interpretações contrastantes.

Ucrânia e Ocidente veem promessa de recuo russo com ceticismo

  Ucrânia e Ocidente veem promessa de recuo russo com ceticismo Após Moscou anunciar redução de operações militares na capital ucraniana e em Tchernihiv, no norte, Kiev, Washington e Londres alertam para tentativa de desviar atenção, e autoridades locais relatam novos bombardeios. © ASSOCIATED PRESS/picture alliance Zelenski: A promessa russa de reduzir parte de suas operações militares na Ucrânia, feita após negociações entre os dois países nesta terça-feira (29/03), foi recebida com ceticismo por Kiev e países do Ocidente.

"Depois do fracasso em Kiev, os russos não conseguiram mais avançar, exceto na parte sul, onde deixaram a Crimeia em direção a Kherson e aos territórios pró-russos", explica à AFP uma fonte do Estado-Maior francês. Eles "adotam posições defensivas em boa parte das linhas de confronto do norte e concentram seus esforços na zona estratégica".

Mas "é difícil medir se estão em uma pausa estratégica para relançar a ofensiva ou se estão em pane", admite essa fonte.

"As forças russas podem se preparar para uma ofensiva maior nos distritos de Donetsk e Lugansk (...) mas terão dificuldade em produzir a força de combate necessária", prevê o Instituto Americano para o Estudo da Guerra (ISW).

Por exemplo, de acordo com o ex-coronel do exército francês Michel Goya, "o 1º Exército Blindado da Guarda foi transferido para o setor Donbas-Norte em vista da batalha decisiva de abril". Mas "quando essa massa de ataque for esgotada em combate no final de abril-início de maio, a capacidade de manobra russa será reduzida a muito pouco".

Atacante na área! Carlos de Pena é anunciado pelo Internacional

  Atacante na área! Carlos de Pena é anunciado pelo Internacional Uruguaio é o mais novo reforço do Colorado para a sequência da temporada 2022Aos 30 anos, ele desembarca com a responsabilidade de ajudar Alexander Medina a deixar o seu time mais veloz dentro das quatro linhas.

- Extenuado -

As informações divulgadas pelos ucranianos evocam pesadas perdas humanas e materiais do lado russo.

Os números são raros do lado ucraniano, o que dificulta a análise do equilíbrio de força. Mas é fato que um exército defensor sofre menos do que um atacante.

Uma unidade que perdeu 30% de sua capacidade de combate é ineficaz, lembra Raphael Cohen, especialista militar da Rand Corporation, concordando com as estimativas (não verificadas) de perdas russas entre 7.000 e 15.000 homens.

No entanto, os recrutas que deveriam substituí-los são treinados de forma desigual e os mercenários são menos do que o esperado.

"Se a Rússia não puder compensar suas perdas, corre o risco de se extenuar", diz o analista.

Michel Goya observa, por sua vez, que a companhia de mercenários Wagner, com fama de ser próxima de Putin, aceita todos os candidatos que se apresentam.

"Esses engajamentos individuais destinados a preencher as lacunas e não a constituir novas forças dão uma indicação do nível muito alto das perdas", escreve o oficial aposentado. Segundo ele, a Rússia parece "ter perdido o equivalente a cerca de trinta grupos táticos de armas combinadas (GTIA) de 120 comprometidos e um potencial máximo de cerca de 140".

A Ucrânia pode ganhar a guerra? Dez perguntas sobre o conflito

  A Ucrânia pode ganhar a guerra? Dez perguntas sobre o conflito As repórteres Jenny Hill e Orla Guerin — que estão em campo — tiram dúvidas sobre o conflito.As forças ucranianas começaram tentativas de retomar algumas áreas da Rússia, que anunciou nesta semana que reduziria as operações em torno de Kiev e da cidade de Chernihiv, ao norte.

Enquanto os olhos das chancelarias ocidentais se voltam para as atrocidades cometidas em áreas sob controle russo, os militares são céticos quanto ao equilíbrio de poder.

- Iniciativa perdida -

"Não vimos uma redistribuição maciça das forças russas" do norte do país, observa uma autoridade ocidental sob condição de anonimato, que espera que Moscou "reescreva sua narrativa" sobre seus objetivos militares e sobre o que ela "define como sucesso ou fracasso".

Em 9 de maio, Moscou celebrará o aniversário da vitória contra a Alemanha nazista em 1945. O Kremlin precisará desesperadamente de vitórias para reivindicar sua intervenção na Ucrânia.

No entanto, as observações dos últimos dias não são animadoras para seu exército. "A Rússia perdeu completamente a iniciativa", diz a autoridade ocidental. "Ontem mesmo, vimos linhas de tanques russos tentando avançar na estrada e lutando contra a resistência ucraniana", observa.

A queda total de Mariupol, porto estratégico no sudeste do país no Mar de Azov, parece iminente. A cidade foi literalmente arrasada por bombas por semanas e seria uma importante vitória estratégica para Moscou.

Mas as dificuldades registradas, a bravura ucraniana, o frio e as perdas - que também preocupam os oficiais-generais - pesam na saúde psicológica de suas tropas.

O Estado-Maior "aparentemente dá instruções para restringir severamente o acesso à Internet das tropas russas na tentativa de combater seu baixo moral", acrescenta a ISW a esse respeito.

bur-dla/fz/blb/mr

Ucranianos que fugiram da guerra começam a voltar ao país mesmo em meio aos combates .
A BBC conversou com pessoas que optaram por retornar às suas casas, inclusive nas áreas mais perigosas, apesar do risco de serem alvos de ataques russos.No dia 10 de março, quando russos se aproximavam da cidade, o marido de Olena pediu que ela deixasse o país com a filha. Olena e Maria foram para a casa de uma amiga na cidade polonesa de Szczecin, na fronteira com a Alemanha.

Ver também