TOP notícias

Mundo: Facebook combate campanhas russas de desinformação sobre a guerra na Ucrânia

Negociações e possível recuo russo: o 34º dia de guerra

  Negociações e possível recuo russo: o 34º dia de guerra Nova rodada de negociações entre russos e ucranianos ocorreu na Turquia. Rússia pode reduzir ações militares nos arredores de Kiev, o que tende a levar seus militares para o leste e o sul da Ucrânia. © Sergei Karpukhin/TASS/dpa/picture alliance Quinta rodada de negociações entre delegações da Ucrânia e da Rússia ocorreu nesta terça-feira em Istambul, na Turquia O 34º dia de guerra na Ucrânia, que começou oficialmente com a invasão russa em 24 de fevereiro, foi marcado por uma rodada de negociações que teve resultados considerados relativamente positivos por ambos os lados e também por outros países e observadores.

A Meta, empresa matriz do Facebook, afirmou nesta quinta-feira (7) que atores estatais russos e outros intensificaram as tentativas de usar suas redes sociais, Facebook e Instagram, para propósitos de espionagem, hackeamento e desinformação, quando as plataformas digitais se transformaram em um dos fronts de guerra na Ucrânia.

A Meta já tomou medidas para reduzir a desinformação russa: a mídia estatal russa não pode mais veicular anúncios, e até mesmo RT e Sputnik são totalmente proibidos na União Europeia © OLIVIER DOULIERY A Meta já tomou medidas para reduzir a desinformação russa: a mídia estatal russa não pode mais veicular anúncios, e até mesmo RT e Sputnik são totalmente proibidos na União Europeia

"Esses atores perigosos não vão desistir", disse Nathaniel Gleicher, chefe de política de segurança do Facebook, em entrevista coletiva. "E eles tendem cada vez mais a combinar diferentes abordagens."

Conflito na Ucrânia traz à tona memórias da Segunda Guerra

  Conflito na Ucrânia traz à tona memórias da Segunda Guerra Em muitos idosos alemães, imagens de destruição, morte e fuga na Ucrânia despertam lembranças de suas próprias experiências na infância. E mesmo quem não viveu a Segunda Guerra pode ter traumas relacionados ao conflito. © Volker Witting/DW Foto: Mikhail Tereshchenko/TASS/picture alliance Ver imagens da Ucrânia devastada pode remeter a lembranças de um passado distante As cenas da guerra na Ucrânia trazem à tona lembranças de um passado distante. "O medo entre nós, crianças da guerra, nunca desaparece. Você o carrega sempre consigo.

Um grupo de hackers chamado Ghostwriter, que parece operar na Rússia, intensificou sua atividade, segundo a equipe de segurança da empresa californiana. O Ghostwriter usa particularmente o phishing para incentivar suas vítimas a clicar em links que levam a sites maliciosos para roubar suas senhas.

"Desde nossa última atualização, este grupo tentou hackear as contas do Facebook de dezenas de membros do exército ucraniano", disse Meta em seu relatório. "Em alguns casos, eles postaram vídeos pedindo aos militares que se rendessem", se passando pelos verdadeiros donos das contas roubadas.

A Meta bloqueou o compartilhamento desses vídeos, disse Gleicher.

Sua equipe enfrenta as já clássicas campanhas de desinformação nas redes por meio de contas falsas, mas também outras táticas como "mobbing" ou "perseguição". Já desmantelou uma rede de cerca de 200 perfis russos que acusavam usuários de violar as regras da plataforma com o objetivo de remover seu conteúdo sobre a Ucrânia.

Atacante na área! Carlos de Pena é anunciado pelo Internacional

  Atacante na área! Carlos de Pena é anunciado pelo Internacional Uruguaio é o mais novo reforço do Colorado para a sequência da temporada 2022Aos 30 anos, ele desembarca com a responsabilidade de ajudar Alexander Medina a deixar o seu time mais veloz dentro das quatro linhas.

"Os envolvidos usaram contas falsas e genuínas para registrar centenas e até milhares de denúncias contra seus alvos", detalha o relatório. "Para não serem detectados, eles se coordenaram por meio de um grupo temático de receitas culinárias."

O relatório também menciona atividades de espionagem nas telecomunicações ucranianas, bem como jornalistas e ativistas.

A Meta já tomou medidas para reduzir a desinformação russa: a mídia estatal russa não pode mais veicular anúncios, e até mesmo RT e Sputnik são totalmente proibidos na União Europeia.

Moscou respondeu a esse movimento bloqueando o Facebook e o Instagram na Rússia.

Atualmente, a AFP faz parte do programa de verificação digital da Meta em mais de 80 países e 24 idiomas. Nesse programa, a Meta paga cerca de 80 organizações, incluindo veículos de comunicação e especialistas em fact-checking (checagem de fatos) para usar suas verificações de fatos no Facebook, WhatsApp e Instagram.

Assim, o conteúdo classificado como "falso" atinge um público menor. O usuário que tentar compartilhar essa postagem receberá um artigo explicando por que a postagem é enganosa e aqueles que já a compartilharam receberão uma notificação com um link da checagem.

Nenhuma postagem é removida das plataformas e os verificadores de fatos são livres para escolher como e o que investigar.

juj-gc/elm/ag/ll/aa

Como a guerra na Ucrânia abalou o Facebook e o Instagram .
A Meta, proprietária do Facebook e do Instagram, tomou uma atitude inusitada no mês passado: suspendeu alguns dos controles de qualidade que garantem que as postagens de usuários na Rússia, na Ucrânia e em outros países do Leste Europeu atendam às suas regras. Com a mudança, a empresa deixou temporariamente de verificar se seus trabalhadores dessas áreas que monitoram postagens do Facebook e do Instagram estavam aplicando com precisão suas diretrizes de conteúdo, segundo seis pessoas com conhecimento da situação. Isso porque os trabalhadores não conseguiram acompanhar as mudanças das regras sobre que tipos de posts relativos à guerra na Ucrânia eram permitidos.

Ver também