TOP notícias

Mundo: Rússia é suspensa do Conselho de Direitos Humanos da ONU e Brasil se abstém em votação

Justiça russa confirma dissolução de ONG de direitos humanos, causando indignação internacional

  Justiça russa confirma dissolução de ONG de direitos humanos, causando indignação internacional A justiça russa determinou nesta quarta-feira (29) a dissolução do Centro de Direitos Humanos da Memorial, um dia depois da decisão da Suprema Corte de proibir a estrutura central da emblemática ONG, o que provocou indignação internacional. O Memorial de Auschwitz disse, no Twitter: "Um poder que tem medo da memória nunca será capaz de atingir a maturidade democrática". Depois de examinar o pedido do Ministério Público, o juiz Mikhail Kazakov ordenou a dissolução do Centro de Direitos Humanos da Memorial, que faz campanha contra os abusos dos direitos na Rússia contemporânea e também registrou a história das vítimas do stalinismo.

A Assembleia Geral das Nações Unidas decidiu, nesta quinta-feira (7), suspender a Rússia do Conselho de Direitos Humanos da organização, como punição pela invasão da Ucrânia. Dos 193 membros da assembleia, 93 votaram a favor da suspensão, enquanto 24 votaram contra e 58 se abstiveram.

  Rússia é suspensa do Conselho de Direitos Humanos da ONU e Brasil se abstém em votação © Getty Images via AFP - MICHAEL M. SANTIAGO

Esta é a segunda vez que um país é suspenso do Conselho de Direitos Humanos da ONU. O primeiro foi a Líbia, em 2011, depois de um processo iniciado pelos Estados Unidos. A China, membro permanente do Conselho de Segurança da Organização, foi contrária à suspensão. O país justificou sua decisão julgando a votação "precipitada" e denunciando um "precedente perigoso", que poderia piorar o conflito.

Sem Arrascaeta e com Santos, Flamengo divulga os relacionados para a estreia na Libertadores

  Sem Arrascaeta e com Santos, Flamengo divulga os relacionados para a estreia na Libertadores Após o vice do Cariocão, o Rubro-Negro já vira a chave para a estreia na Libertadores, que acontece nesta terça-feira, às 21h30 (de Brasília)> ATUAÇÕES: Arrascaeta e João Gomes se salvam no vice carioca do Flamengo

O Brasil, o México e a Índia, que são membros não-permanentes do Conselho de Segurança, optaram pela abstenção, assim como vários países africanos. Entre eles, a África do Sul e o Senegal. O embaixador do Brasil na ONU, Ronaldo Costa Filho, disse que "o Brasil decidiu se abster na votação de hoje porque acredita que a comissão de inquérito deve ter permissão para concluir sua investigação independente e as responsabilidades possam ser determinadas".

Ele acrescentou que o país, "profundamente preocupado" com supostas violações de direitos humanos na Ucrânia e "totalmente comprometido em encontrar maneiras de cessar imediatamente as hostilidades e promover um diálogo real que leve a uma solução pacífica e sustentável".

Qual é o futuro dos Brics após guerra da Ucrânia - e como Brasil se equilibra no bloco?

  Qual é o futuro dos Brics após guerra da Ucrânia - e como Brasil se equilibra no bloco? Grupo formado por Rússia, Índia, Brasil, China e África do Sul e que prometia ser nova locomotiva econômica está em uma encruzilhada depois que um de seus membros invadiu o vizinho: ostracismo ou polo de poder geopolítico alternativo?A Guerra da Ucrânia, iniciada por um de seus cinco membros, pode forçar o grupo a cumprir um dos destinos que analistas internacionais apontam como o futuro da instituição: de um lado, virar um "bloco zumbi", sem impactos práticos para seus membros; de outro, se fortalecer a ponto de representar uma força alternativa ou antagonista a grupos dos países ricos como o G7 (composto por Canadá, França, Alemanha, Japão, Reino Unido, Itália e EUA).

O Irã, o Cazaquistão e Cuba também foram contrários à decisão e, sem surpresa, a Rússia, Belarus e a Síria se opuseram à resolução. De acordo com o governo americano, a suspensão da Rússia do Conselho de Direitos Humanos é mais do que "simbólica" e mostra o isolamento de Moscou na cena internacional.

Rússia lamenta decisão

"Lamentamos a decisão", reagiu o porta-voz do presidente Vladimir Putin, Dmitri Peskov, em entrevista ao canal britânico Sky News. De acordo com o Ministério das Relações Exteriores russos, a suspensão "é ilegal." Citado pela agência RIA, o vice-embaixador da Rússia nos Estados Unidos, Guennadi Kouzmine, declarou que o país tinha decidido renunciar imediatamente à cadeira no Conselho de Direitos Humanos após a votação. Ele denunciou a "motivação política" da decisão.

A Ucrânia agradeceu pela suspensão da Rússia, afirmando que não cabe a "criminosos de guerra" estarem representados nesta instância da ONU. "Os criminosos de guerra não têm lugar nos organismos da ONU encarregados da proteção dos direitos humanos", declarou o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, no Twitter. "Agradecemos a todos os Estados-membros que apoiaram a resolução e ficaram do lado certo da história", completou.

ONU vota amanhã suspensão da Rússia do Conselho de Direitos Humanos

  ONU vota amanhã suspensão da Rússia do Conselho de Direitos Humanos A pedido de países ocidentais, a Assembleia Geral da ONU fará nesta quinta-feira (7), a partir das 10h locais (11h em Brasília), uma votação sobre a suspensão da Rússia do Conselho de Direitos Humanos da organização - informou a porta-voz da Presidência da AGNU, Paulina Kubiak. Para que a Rússia seja suspensa do Conselho de Direitos Humanos, com sede em Genebra, é necessária uma maioria de dois terços dos países que votarão a favor e contra na sessão, para a qual estão convidados os 193 Estados-membros da Assembleia Geral. As abstenções não contam.

A Rússia integrava o Conselho de Direitos Humanos da ONu desde 2006. O término do seu mandato estava previsto para 2023. Desde a invasão na Ucrânia, a Assembleia Geral da ONU se pronunciou três vezes sobre a guerra. Em 2 de março, em uma votação histórica, 141 países condenaram a invasão desencadeada pela Rússia, 5 foram contra e 35 defenderam a abstenção. Em 24 de março, a Assembleia Geral pediu a abertura de corredores humanitários e a proteção dos civis no país.

Ucrânia pede armas à Otan

O secretário de Estado americano, Antony Blinken, disse nesta quinta-feira (7), que as forças russas podem estar cometendo novas "atrocidades" na Ucrânia, depois que vários corpos foram descobertos em Bucha, após a retirada destas tropas.

"Para cada Bucha, há muito mais povoados que a Rússia ocupou e muitos povoados ainda ocupados, onde devemos presumir que os soldados russos estão cometendo mais atrocidades neste exato momento", considerou Blinken, após uma reunião dos ministros das Relações Exteriores dos países-membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) com a presença do chanceler ucraniano, Dmytro Kuleba, em Bruxelas.

ONU suspende Rússia do Conselho de Direitos Humanos

  ONU suspende Rússia do Conselho de Direitos Humanos ONU suspende Rússia do Conselho de Direitos Humanos da ONU por relatos de "violações e abusos grosseiros e sistemáticos de direitos humanos" por tropas russas invasoras na Ucrânia. A iniciativa liderada pelos Estados Unidos obteve 93 votos a favor, enquanto 24 países votaram não e 58 países se abstiveram. Uma maioria de dois terços dos membros votantes --as abstenções não contam-- foi necessária para suspender a Rússia do conselho de 47 membros. As suspensões são raras. A Líbia foi suspensa em 2011 por causa da violência contra manifestantes por forças leais ao então líder Muammar Kadafi.

O ministro ucraniano das Relações Exteriores, Dmytro Kuleba, pediu nesta quinta-feira (7) aos países membros da Otan que forneçam mais armamento a seu país para combater e derrotar as forças russas. "Venho pedir três coisas: armas, armas e armas. Quanto mais rápido forem entregues, mais vidas serão salvas e destruições evitadas", declarou ao chegar à sede da Otan em Bruxelas para uma reunião com ministros das Relações Exteriores dos países membros da organização.

"Está claro que a Alemanha pode fazer mais, levando em consideração suas reservas. Trabalhamos com o governo alemão para que forneça armas adicionais", acrescentou. Citada diretamente por Kuleba, a ministra alemã Annalena Baerbock afirmou que seu país apoia "a Ucrânia para ajudá-la em sua capacidade de defesa, mas é importante estabelecer uma coordenação, atuarmos juntos e não individualmente".

Reunião do G7

A Ucrânia precisa de armas dos países da Otan "agora" ou será "tarde demais", disse o ministro das Relações Exteriores ucraniano, Dmytro Kuleba, em uma reunião da Aliança em Bruxelas nesta quinta-feira (7). "Não tenho dúvidas de que a Ucrânia terá as armas necessárias para lutar. A questão é quando", disse ele, após se reunir com seus colegas de países da Otan, exigindo também com a mesma urgência que os ocidentais parem de comprar petróleo e gás russos.

Organizações da sociedade civil enviam à ONU relatório sobre desmatamento no Brasil

  Organizações da sociedade civil enviam à ONU relatório sobre desmatamento no Brasil Por Apib, ISA, Conectas, OC e WWF-Brasil em WWF-Brasil - Cinco organizações da sociedade civil brasileira - Apib (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil), Conectas Direitos Humanos, ISA (Instituto Socioambiental), Laboratório do Observatório do Clima e WWF-Brasil – protocolaram um relatório para o Alto Comissariado da ONU (Organização das Nações Unidas) para Direitos Humanos relatando sobre o status de não-cumprimento de compromissos sobre a redução do desmatamento da Amazônia.

"Ou você nos ajuda agora, e estou falando de dias, não semanas, ou sua ajuda chegará tarde demais. E muitas pessoas morrerão, muitos civis perderão suas casas, muitas cidades serão destruídas se essa ajuda chega tarde demais", acrescentou. Dmytro Kouleba alertou que, enquanto houver debate, "a batalha por Donbass está em andamento". "Infelizmente, vai piorar. A batalha de Donbass vai lembrar a Segunda Guerra Mundial", com "milhares de tanques, veículos blindados, aviões e artilharia", alertou. "Não será uma operação local", acrescentou.

Sanções

O G7, que reúne as economias mais avançadas, concordou nesta quinta-feira (7) em impor novas sanções contra a Rússia pelas "atrocidades cometidas pelas forças armadas russas" contra civis na Ucrânia."Proibimos novos investimentos em indústrias da economia russa, incluindo energia", indicam as potências do G7 em um comunicado, que também anuncia "sanções adicionais contra o setor de defesa russo" e contra "elites e seus parentes" que apoiam a guerra decidida pelo presidente russo Vladimir Putin contra a Ucrânia.

As proibições de exportação de certos bens serão estendidas, assim como as sanções contra bancos e empresas públicas russas, de acordo com o texto. Enquanto um embargo às importações de energia não é considerado nesta fase, os países do G7 querem "avançar" nos planos para reduzir sua dependência da energia russa, que incluem, entre outros, "uma saída gradual do carvão russo".

(Com informações da AFP)

Rússia pede apoio do Brasil no FMI, Banco Mundial e G20 .
Ministro da Fazenda russo enviou carta a Paulo Guedes pedindo ajuda contra bloqueio e expulsão de organizações internacionais, segundo agência. Quase metade das reservas internacionais russas estão congeladas. © Mikhail Klimentyev/Russian Presidential Press Office/TASS/imago images Bolsonaro visitou Putin no Kremlin uma semana antes da invasão da Ucrânia a manifestou A Rússia pediu apoio ao Brasil no Fundo Monetário Internacional, no Banco Mundial e no G20, grupo das principais economias do mundo, para ajudá-la a combater as sanções impostas pelo Ocidente desde que Moscou invadiu a Ucrânia, de acordo com uma ca

Ver também