TOP notícias

Política: Tribunal diz que MP perdeu prazo para recorrer contra foro de Flávio Bolsonaro

Agenda política promete agitar a primeira semana de agosto em Brasília

  Agenda política promete agitar a primeira semana de agosto em Brasília Enquanto os parlamentares têm até amanhã para decidir a ampliação das retiradas do Fundo de Garantia durante a pandemia da covid-19, Judiciário prevê, na volta dos trabalhos, discussões polêmicas sobre foro privilegiado e Lava-JatoCaso o plenário da Câmara aprove as mudanças feitas pelo Senado no texto, tanto quem foi demitido quanto quem deixou o trabalho por vontade própria terá direito de retirar dinheiro da conta para reforçar o orçamento. Mas, se retomar a versão original, só ficará garantido o saque único de R$ 1.045, até 31 de dezembro, que pode ser feito por todos que tiverem contas vinculadas ao FGTS, ativas ou inativas.

O senador Flávio Bolsonaro no plenário do Senado © Sérgio Lima/Poder360 O senador Flávio Bolsonaro no plenário do Senado

O TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro) emitiu na 2ª feira (10.ago.2020) uma certidão informando que o Ministério Público do Estado perdeu o prazo para recorrer da decisão que concedeu foro privilegiado ao senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) no inquérito que apura suposto esquema de “rachadinhas” na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro).

Criciúma e Chape travam duelo por decisão do Catarinense

  Criciúma e Chape travam duelo por decisão do Catarinense Tigre e Chape medem forças a partir das 21h30 (Horário de Brasília), no Heriberto HulseSituação do Confronto

O foro especial foi concedido a Flávio Bolsonaro em 25 de junho, quando a 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio aceitou recurso da defesa do senador e mandou para a 2ª Instância o processo das supostas “rachadinhas”.

Na prática, caso Flávio seja denunciado pelo Ministério Público, 1 colegiado de 25 magistrados terá de avaliar as investigações. A defesa do senador diz que, à época dos supostos crimes, Flávio era deputado. Portanto, alega, ele tem direito a foro especial.

O Ministério Público foi oficialmente notificado da decisão no dia 2 de julho. A subprocuradoria-geral de Justiça de Assuntos Criminais e de Direitos Humanos apresentou recurso em 20 de julho.

O Ministério Público afirmou que cumpriu o prazo determinado, e que levou em conta a contagem de dias úteis, de modo que o prazo acabaria em 13 de agosto. O órgão afirma que a certidão emitida pelo cartório do TJ não está de acordo com a nova sistemática de processamento de recursos constitucionais. O MP também informa que já enviou uma petição (1 MB) ao STF (Supremo Tribunal Federal) para apurar a certidão e as novas normas de contagem de prazos. Leia a íntegra da nota ao final do texto.

Flávio Bolsonaro pede ao MP que troque promotores do caso Queiroz

  Flávio Bolsonaro pede ao MP que troque promotores do caso Queiroz Essa decisão vai na contramão do que tem entendido o Supremo Tribunal Federal (STF), que deve se debruçar sobre um recurso apresentado pelo MP do Rio ainda neste mês . Sabe-se que a denúncia contra Flávio estava prestes a ser apresentada quando os desembargadores lhe deram o foro. É possível, portanto, que ela seja feita logo depois da Corte reverter a decisão, caso isso aconteça.Se o entendimento dos desembargadores for mantido, o Orgão Especial vai ter que decidir, antes de tudo, se as decisões do juiz Flávio Itabaiana Nicolau que autorizaram medidas cautelares no âmbito da investigação vão ser mantidas.

A defesa do senador se manifestou sobre a nota emitida pelo Ministério Público e afirmou que o prazo do pedido é contado em dias corridos, e não em dias úteis, segundo determinação do plenário do STF.

Sobre a nota emitida pelo Ministério Público nesta data, a defesa do Senador Flávio Bolsonaro esclarece que o Plenário do STF já decidiu que os prazos, em matéria penal, são contados em dias corridos e não úteis, como se entendeu. Com relação à intimação eletrônica também foi pacificado pela Corte Especial do STJ que, havendo duplicidade de intimações, a eletrônica deve ceder em favor da intimação pela imprensa oficial ou intimação pessoal, que serve como marco para a contagem dos prazos processuais”, disse a defesa de Flávio.

Eis a íntegra da nota do Ministério Público:

“O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) esclarece que, pela sistemática vigente, os recursos que apresentou questionando o foro especial concedido a Flávio Bolsonaro na investigação de pagamento da chamada ‘rachadinha’ foram feitos dentro do prazo legal. As regras em vigor, desde a promulgação do Pacote Anticrime (Lei n. 13.964/2019), consideram apenas os dias úteis. Os recursos apresentados em 20/07, portanto, estavam dentro do prazo, que só venceria em 13/08. Por essa razão, o Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (GAECC/MPRJ) ingressará ainda hoje (11/08), com petição requerendo que sejam observadas as novas regras em relação à contagem dos prazos processuais na apreciação do juízo de admissibilidade recursal.  

MP evidencia uso de R$ 86, 7 mil em espécie por Flávio Bolsonaro para compra de salas comerciais

  MP evidencia uso de R$ 86, 7 mil em espécie por Flávio Bolsonaro para compra de salas comerciais MP evidencia uso de R$ 86, 7 mil em espécie por Flávio Bolsonaro para compra de salas comerciais foi evidenciada durante depoimento do parlamentar e das construtoras envolvidas na operação do Ministério Público do Rio de Janeiro, conforme apuração do jornal O Globo.A compra dos imóveis teria sido finalizada enquanto o filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) era deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Durante os esclarecimentos de Flávio, ele disse que os valores foram emprestados pelo pai e um de seus irmãos, o qual o senador não identificou.

É preciso elucidar que a atribuição recursal nas hipóteses de recursos constitucionais no âmbito do MPRJ é concorrente, cabendo, no caso, à Procuradoria de Justiça que atua na segunda instância, e ao GAECC/MPRJ, por delegação do Procurador Geral de Justiça. A referida procuradoria peticionou nos autos do habeas corpus nº 0011759-58.2020.8.19.0000 e teve ciência da decisão recorrida em 03/07, sem interpor qualquer recurso. Entretanto, acessou a intimação eletrônica da decisão recorrida em 02/07, dando início à contagem do prazo recursal. Por sua vez, o GAECC/MPRJ protocolizou os Recursos Especial e Extraordinário em 20/07, o que gerou, equivocadamente, a certidão de intempestividade, exarada nos autos por Serventuário do Tribunal de Justiça.

A certidão não se coaduna à nova sistemática de processamento dos recursos constitucionais instituída pela Lei nº 13.964/2019. Apesar de vigorar no Supremo Tribunal Federal, até o ano de 2019, o entendimento de que não se aplicariam as regras do Código de Processo Civil para contagem de prazos de recursos constitucionais, a partir da vigência do Pacote Anticrime em janeiro de 2020, o artigo 638 do Código de Processo Penal passou a prever expressamente a aplicabilidade da lei processual civil no processamento dos recursos especial e extraordinário, conferindo novo tratamento normativo para a temática.

Destaca-se ainda que o GAECC/MPRJ vem adotando todas as medidas processuais adequadas ao interesse da investigação em curso, tendo ajuizado Reclamação junto ao Supremo Tribunal Federal pendente de apreciação sobre o mesmo objeto questionado nos Recursos Especial e Extraordinário, com o objetivo de que sua atuação persecutória possa alcançar a verdade real dos fatos, sem intercorrências protelatórias. A matéria, portanto, já foi submetida ao Supremo Tribunal Federal.”

Esta reportagem foi produzida pela estagiária em jornalismo Melissa Fernandez, sob supervisão do editor Nicolas Iory


Veja mais no MSN Brasil

Bolsonaro diz que Brasil é criticado de forma injusta (Poder360)



Loja de Flávio Bolsonaro recebeu 1.512 depósitos em dinheiro .
Quebra de sigilo revela transações. Valores recebidos de 2015 a 2018. Informações divulgadas pela Globo. Defesa nega haver irregularidadesDe acordo com os documentos obtidos pela emissora, a loja recebeu 63 depósitos de R$ 1.500, 63 de R$ 2.000 e 74 de R$ 3.000 no período.

Ver também